Black Friday é dia de denúncia global contra a precarização e os crimes da Amazon

Sexta, 27 Novembro 2020 14:03

Nesta sexta-feira, 27, dia de Black Friday, trabalhadores em diversas partes do mundo chamam atenção para o descaso com as leis trabalhistas por parte da poderosa Amazon. A empresa, uma das maiores em comércio eletrônico, também tem desrespeitado medidas de proteção contra a Covid-19 nos centros de distribuição, segundo denúncias.

O protesto global marcado tem como slogan “Faça a Amazon pagar”, o intuito é mostrar aos consumidores que a empresa paga muito mal seus trabalhadores, além de não garantir direitos nem condições dignas de trabalho. A corporação é comandada pela pessoa mais rica do mundo, o CEO Jeff Bezos, que durante a pandemia se tornou a primeira pessoa na história a acumular US$ 200 bilhões em riqueza pessoal.

De acordo com a  IndustriALL Global Union, uma das entidades organizadoras do protesto, ao mesmo tempo em que trabalhadores dos centros de distribuição da Amazon arriscam suas vidas em troca de um salário injusto, a empresa aumenta seu impacto ambiental em mais de dois terços em todos os países do mundo e paga praticamente 0% de impostos em muitos deles. 

“Nossa luta histórica sempre foi em defesa dos direitos dos trabalhadores e contra qualquer tipo de exploração e esse modelo adotado pela Amazon aprofunda a exploração do trabalhador. Por isso, todo nosso apoio a esse protesto e à busca por condições dignas de trabalho!”, declarou o diretor do Sindicato e presidente da IndustriALL Brasil, Aroaldo Oliveira da Silva. 

Principais reivindicações dos trabalhadores

• Aumento de salários, incluindo o pagamento de periculosidade e de prêmio por horários de pico;

• Tempo de pausa adequado para garantir um trabalho seguro;

• suspensão do severo regime de produtividade e vigilância;

• Permissão para que os trabalhadores em instalações sem representação local elejam independentemente comissões de saúde e segurança;

• Protocolo da corporação para rastreamento e relatório de casos da Covid-19;

• Fim de todas as formas de emprego informal;

• Acabar com a perseguição a sindicatos, respeitando o direito dos trabalhadores de se organizarem;

• Compromisso de zero emissão de carbono até 2030;

• Fim patrocínio de lobistas e políticos negacionistas das alterações climáticas;

• Pagamento integral dos impostos nos países onde ocorre a atividade econômica real, pondo fim ao abuso fiscal através da transferência de lucros, das brechas e do uso de paraísos fiscais;

• Acabar com as parcerias com as forças policiais que são institucionalmente racistas;

• Cessar práticas comerciais anticompetitivas que levam à monopolização;

• Garantir transparência sobre a privacidade e o uso de dados dos consumidores.

Como participar do protesto

1. Compartilhe essa matéria por WhatsApp e Facebook

2. Compartilhe o cartaz em suas redes sociais

3. Use as hashtags #MakeAmazonPay e #OrganizeAmazon

[Com informações da IndustriAll Brasil e Sindicato dos Metalúrgicos do ABC]

Última modificação em Sexta, 27 Novembro 2020 16:27
Publicado em Trabalho

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.