Petrobras deve ter o protagonismo na reconstrução do País

Segunda, 06 Julho 2020 13:48

[Com informações da imprensa do Sindipetro-NF]

Em live que foi integrada à programação do Congresso dos Petroleiros do Norte Fluminense, a reprsentante eleita pelos trabalhadores para o Conselho de Administração da Petrobrás, Rosangela Buzanelli, reuniu o ex-diretor de Exploração e Produção da companhia, Guilherme Estrella, e o jornalista e fundador do site Opera Mundi, Breno Altman. Por mais de uma hora, os três debateram o papel da empresa na retomada da economia brasileira após a pandemia da covid-19.

Para Buzanelli, que tomará posse no próximo dia 22, o governo Bolsonaro, que acentua políticas neoliberais, faz parte de um projeto que “está rapinando o povo e a nação brasileira”. Ela lembra, por exemplo, os muitos anos de especialização e pesquisa necessários para que se descubra e desenvolva um campo de petróleo, o que sempre foi feito no Brasil pela Petrobrás. “Quando quebraram o monopólio, a Petrobrás continuou a ser pioneira. As empresas privadas não descobriram nenhum campo significativo”, afirma.

“O único programa desse governo é destruir o que foi feito e entregar ao mercado financeiro. O governo atua para ajudar os nossos concorrentes. Critica até a política de conteúdo local [de compras de produtos nacionais]. Não é com eles que vamos superar essa crise”, defende a petroleira.

O jornalista Breno Altman avalia que é preciso reconstruir o País, o que passa pela “ruptura com o neoliberalismo”. Na Petrobrás, “tem que reconstruir toda a cadeia de óleo e gás. Refazer tudo o que foi destruído por um dos braços do bolsonarismo que foi a Operação Lava Jato”, acredita. Ele lembrou o papel estratégico da empresa na indução de setores como a indústria naval, a construção civil, a cultura e os esportes.

Além de romper com o neoliberalismo, Breno defende como caminho para superar a crise a adoção de uma política tributária que coloque “a mão pesada no bolso dos ricos”, além de nacionalizar todos os grandes bancos brasileiros.

Guilherme Estrella também defendeu a retomada da Petrobrás como protagonista de um projeto de desenvolvimento do País. “Hoje vivemos não só um estado mínimo, mas um estado mínimo desestruturado, com uma política desnacionalizadora. Estão vendendo campos de petróleo, gasodutos. O País está sendo destruído por um governo genocida. A Petrobrás não é mais uma indústria, é um fundo de investimento. Temos que reconstruir não só a Petrobrás, mas o País”, afirma.

Para ele, a Petrobrás poderia desempenhar um papel central na recuperação econômica no pós-pandemia. Ele dá como exemplos os potenciais presentes duas iniciativas que a empresa poderia tomar se estivesse sendo gerida dentro de uma lógica social e desenvolvimentista: a primeira é explorar a sua forte presença nacional para promover o desenvolvimento local, a segunda é recuperar a condição de empresa de petróleo integrada e suprir a energia necessária, a preços baixos, para a população.

Veja a íntegra do debate:

 

Vamos debater o papel da Petrobrás na retomada da economia brasileira pós-Covid. Os convidados são Breno Altman,...

Publicado por Rosangela Buzanelli em Quinta-feira, 2 de julho de 2020
Última modificação em Segunda, 06 Julho 2020 15:30

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram