Diretor da FUP fornece base de dados para governadores responderem a Bolsonaro

Terça, 03 Março 2020 13:26

Em janeiro de 2020, na iminência de uma nova greve dos caminhoneiros e dos petroleiros, o presidente Jair Bolsonaro esbravejou: a culpa dos elevados preços de combustíveis era dos governadores em função dos impostos estaduais. No raciocínio do presidente, mesmo com a queda dos preços da refinaria, o valor mais alto dos combustíveis na bomba era responsabilidade dos governadores.

A retórica do presidente motivou, mais uma vez, uma guerra de narrativas sobre a raiz dos problemas dos preços dos combustíveis. Em análise realizada em 2017, o INEEP lembrou que, na época – e o cenário continua o mesmo até hoje – “não houve nenhuma mudança estrutural na cadeia produtiva dos derivados de combustíveis (variações nas alíquotas dos impostos ou significativas alterações nas margens dos distribuidores e postos), o que torna muito frágil a tese que enxerga os aumentos dos combustíveis como decorrência dos impostos e dos carteis dos postos”.

Isso, porque o peso dos impostos na determinação dos preços, embora seja importante, tem um percentual relativamente rígido e oscila segundo o preço final dos derivados. Ou seja, o “centro” da oscilação está no preço da refinaria.

Segundo Bolsonaro, o problema é que o preço na refinaria tem caído, mas isso não estaria se refletindo na bomba. Será verdade?

Quando assumiu o governo em 01/01/2019, o preço da gasolina e do diesel na refinaria era, respectivamente, de R$ 1,51/litro e de R$ 1,85/litro, segundo dados do DIEESE. Em 29/02/2020, o preço da gasolina estava em R$ 1,71/litro e o preço do diesel em R$ 1,93/litro, ou seja, um aumento de 13,2%, no caso da gasolina, e de 3,9%, no caso do diesel.

Os especialistas do setor poderiam alegar que esse aumento é explicado pela variação do preço internacional do petróleo, algo que não aconteceu. No mesmo período, o preço internacional do petróleo caiu de R$ 1,45/litro para R$ 1,41, uma queda de 2,8%. Ou seja, ao contrário do que afirma Bolsonaro, durante seu governo, os preços da Petrobras aumentaram e, mais grave, no caminho contrário ao do preço internacional do petróleo.

Esse ponto é importante porque coloca em xeque a versão do governo federal e da Petrobras sobre a formação dos preços. Primeiro, os valores elevados dos combustíveis têm sim relação com o refino. Segundo, a Petrobras não tem sequer seguido o preço internacional do petróleo. Ao que tudo indica, há um mecanismo de se aproveitar dos períodos de elevação do preço internacional para subir o valor dos produtos que saem das refinarias, mas, quando os preços caem, a queda não é proporcional no refino.

Como se se sabe, o uso da fake news foi algo estrutural para a vitória de Bolsonaro nas eleições presidenciais e é algo estrutural para sustentação de seu governo. E é exatamente o que ele faz agora no debate sobre os preços dos combustíveis. Ele só trata do tema quando os preços na refinaria caem, mas se finge de morto quando os preços sobem.

Com isso, a estratégia de jogar a culpa no colo dos governadores e confundir a população tem mais chance de alcançar sucesso.

A questão do preço é séria e deve ter um olhar técnico e, ao mesmo tempo, social tendo em vista o impacto dos preços tem na vida dos brasileiros. Mas, seriedade técnica e sensibilidade social é tudo que falta ao atual governo.

Federação Única dos Petroleiros

Última modificação em Terça, 03 Março 2020 23:23

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram