“Essa é a plenária mais importante da história da categoria”

Sexta, 24 Maio 2019 13:43

A resistência contra a privatização da Petrobrás está diretamente ligada à luta pela preservação dos empregos e dos direitos dos trabalhadores, que estão sob ameaça de extinção nessa campanha reivindicatória. A importância da unidade no enfrentamento ao projeto ultraliberal do governo Bolsonaro marcou a fala das lideranças sindicais e políticas que participaram da solenidade de abertura da 8ª Plenária Nacional da FUP, quinta-feira, 23, à noite, em Belo Horizonte. 

“Essa é a Plenafup mais importante da história da nossa categoria. Os petroleiros já deixaram o seu nome marcado na história todas as outras vezes em que fomos chamados à luta em defesa da Petrobrás. Vamos continuar resistindo e venceremos novamente”, afirmou o coordenador do Sindipetro Minas Gerais, Anselmo Braga. Ele destacou a simbologia da 8ª Plenafup estar sendo realizada na Escola Sindical da CUT em Belo Horizonte, berço de tantas lutas e resistência.

O coordenador da FUP, José Maria Rangel, lembrou que a luta dos petroleiros para defender a Petrobrás não é de hoje.  “A Petrobrás sempre foi motivo de disputa e de cobiça. E isso aumentou ainda mais com a descoberta do pré-sal. A defesa da Petrobrás tem que passar pela conscientização dos trabalhadores de que a operação Lava Jato é uma farsa. Os fatos vêm mostrando, dia após dia, que o objetivo sempre foi destruir a empresa para entregar o pré-sal”, afirmou.

Márcio Nicolau, presente!

O ex-presidente do Sindipetro-MG, Marcio Nicolau Machado, morto em fevereiro em um trágico acidente de trânsito, foi homenageado na abertura da 8ª Plenafup.  Um documentário produzido pelo sindicato em parceria com o Midia Ninja emocionou os petroleiros, ao destacara a trajetória sindical do petroleiro e sua importância nas lutas travadas pelos movimentos sociais mineiros.

“A luta pela soberania, a luta pela Petrobrás que estamos travando hoje é a continuidade do legado de Marcio e a maior homenagem que podemos fazer a ele”, afirmou Leopoldino Martins, que esteve ao lado do petroleiro em diversas lutas no Sindipetro-MG.

O exemplo da Vale

Um dos convidados da solenidade de abertura da 8ª Plenafup, Joceli Andreoli, da Coordenação Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), enfatizou a relação direta entre a privatização da Vale e os crimes protagonizados pela empresa em Minas Gerais.  “Tudo isso aconteceu porque a empresa passou a ser gerida para atender aos interesses privados e à ganância do capital especulativo. O que aconteceu com a Vale é o que pode acontecer com o pré-sal e a Petrobrás, se não dermos conta da luta e do desafio desse momento histórico”, afirmou.

O deputado federal Rogério Correa (PT-MG) lembrou que desde que foi “entregue a preço de banana” no governo Fernando Henrique Cardoso, a Vale deixou de cumprir o papel de destaque que tinha para a economia brasileira. “A Vale é a segunda maior empresa privada do mundo, mas que não contribui em nada para o desenvolvimento do país. Envia todo o seu lucro para fora e só deixa aqui as tragédias que gera”, declarou.

Ele alertou que o processo de privatização do governo Bolsonaro vai além. “Não são só as empresas públicas que estão na lista de privatização do Paulo Guedes (ministro da Economia), mas também a previdência social, a educação e a saúde”, declarou, enfatizando que a greve geral do dia 15 de junho pode significar uma virada dessa conjuntura. "É no campo das ruas que vamos derrota-los. E o movimento sindical será fundamental nesse embate, como foi na década de 80", afirmou.

Com a participação de cerca de 200 trabalhadores de todo o país, a 8ª Plenafup prossegue até domingo (26), na Escola Sindical Sete de Outubro, em Belo Horizonte. Acompanhe as atividades e painéis de exposição pelas redes sociais da FUP.

Imprensa da FUP | Fotos: Arthur Varela (Sindipetro-RN)

e285f98f-3fb8-4458-acf3-0fdbe71b0c2f
e237a01b-f678-4cd0-970a-95cfa5e170da
dd1e9c40-a785-4db5-b619-2f5771555564
e74e45d5-755b-41de-9ce4-4d6aa2ced4b6
c6d27caa-a906-4e2b-99c2-2e18174413c8
b0fd86e1-b256-4ce7-bcb7-2175de687980
aba43c4d-107d-4c9b-8879-1f32e418a2af
83012504-1a37-4a3e-992d-9d8dab1cbb5b
250616a5-adbf-41a8-b373-11a9448e40fd
65011f79-02ed-45d9-a00e-fb84f58b8b56
9360f4fd-e57b-427c-b929-359aa4bb87a7
6586cd1b-1c27-4c60-bd77-aea9746fc7d4
7416ea44-05bf-4c63-8b7e-22a489e44a5c
503f0c88-3d92-48e9-b6a8-4e0d0d7e3582
233b3446-48c9-4a2e-994c-501a35698870
42db47ea-6833-47de-a8d7-2d09bf64d70f
37d8267f-4cef-48a9-9fa1-92645200d7b1
24c06edf-ae82-4b70-bbe5-1affe9b7e4bd
8e2c2e07-194c-48c0-9e29-182ed7275adb
4d8d383e-621d-48d6-8ec4-20b147a508e6
2e1f58df-2742-4fa9-95d3-b2156ae1754e
1c330f19-a579-4f4e-a77e-d101c5f80a70

Última modificação em Sexta, 24 Maio 2019 16:44

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram