Mobilizações dos petroleiros ganham novas adesões e preparam categoria para greve

Quarta, 23 Maio 2018 15:10

O aquecimento para a greve que os trabalhadores do Sistema Petrobrás estão realizando com uma série de mobilizações esta semana foi reforçado nesta quarta-feira,23, pelos petroleiros das Fábricas de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná e da Bahia, da Refinaria Grabriel Passos (Regap/MG), da Refinaria de Capuava (Recap/SP), dos terminais de Guaramirim e Itajaí, em Santa Catarina, e pelos trabalhadores do administrativo da Refinaria Presidente Vargas (Repar/PR). As mobilizações prosseguem na Refinaria Duque de Caxias (Reduc/RJ), onde os trabalhadores seguem cortando a rendição dos turnos em períodos intercalados. 

Desde segunda-feira, 21, os sindicatos da FUP estão mobilizando os petroleiros, numa preparação para a greve que a categoria aprovou para barrar o desmonte da Petrobrás. As mobilizações prosseguem nesta quinta, 24, com concentrações, atrasos, cortes de rendição dos turnos e outras formas de protestos. Os sindicatos também estão convocando os trabalhadores para os seminários regionais de qualificação de greve, que irão discutir estratégias de controle de produção para serem adotadas durante o movimento.

Saiba mais sobre as mobilizações desta quarta-feira:

Trabalhadores da Regap (MG) se mobilizam para greve com controle de produção

Trabalhadores da Fafen Bahia param em mais uma mobilização para construção da greve dos petroleiros

 

 

Redução dos preços dos combustíveis é um dos eixos da greve

A greve dos petroleiros é uma resposta à privatização da Petrobrás, que avança agora sobre as refinarias, fábricas de fertilizantes, terminais e dutos da Transpetro. O aumento diário dos preços da gasolina e do diesel faz parte do pacote de desmonte que a empresa vem sofrendo nestes dois anos de golpe.

Para atender aos interesses do mercado e das importadoras de combustíveis, a gestão Pedro Parente passou a determinar os preços dos derivados nas refinarias de acordo com a variação do barril de petróleo, sem estabelecer qualquer mecanismo de proteção para o consumidor e deixando o país ainda mais vulnerável às crises internacionais. Só no último ano, ele aumentou os preços da gasolina e do diesel em mais de 50% e, paralelamente a isso, reduziu a carga das refinarias, que estão operando com menos de 75% da capacidade em várias regiões do País. 

Quem ganha com isso são as importadoras de combustíveis. Em 2017, o Brasil foi inundado com mais de 200 milhões de barris de derivados importados, enquanto o petróleo produzido no País é exportado para ser refinado lá fora e depois trazido de volta pelas empresas que concorrem com a Petrobrás. Pedro Parente entregou às importadoras o mercado nacional e agora quer entregar também as refinarias junto com a estrutura de logística para distribuição de derivados (dutos e terminais), desnacionalizando cada vez mais o setor.  

A greve dos petroleiros é para barrar esse desmonte. Entre os principais eixos do movimento estão a redução dos preços dos derivados de petróleo, a retomada da produção das refinarias e o fim das importações de combustíveis (saiba mais aqui).

Esquenta agita a categoria desde segunda

Na segunda-feira (21), petroleiros da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e da Usina do Xisto (SIX), no Paraná, realizaram atrasos e manifestações contra o desmonte da Petrobrás. Veja aqui e aqui como foram os atos.

Na terça, 22, os petroleiros da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no estado do Rio de Janeiro, iniciaram à zero hora cortes na rendição dos turnos em períodos intercalados. Saiba mais aqui.

No Paraná, as mobilizações de terça tiveram participação dos trabalhadores do Terminal Aquaviário da Transpetro em Paranaguá (Tepar) e do Grupo 5 da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), unidades que estão com a venda anunciada por Pedro Parente.

No Rio Grande do Norte, os trabalhadores estão participando de setoriais.

Na Bahia, foi a vez dos trabalhadores do Terminal de Madre de Deus (Temadre), que também está na lista de privatização, se mobilizarem na terça. Saiba mais aqui.

Em São Paulo, as mobilizações de terça foram com os petroleiros da Replan.

24-05-Rlam
57795dca-8109-40c1-b3cc-f0c8e3cb44af
8c5eced4-c826-4cfe-b631-548f7840c534
0f96f60a-2c8e-4a62-80ab-94d3a25ef707
24-05-EDISP
3336123618237438109815501078836024580243456o
3338658418236528509906468842425355575754752n
24-05-REPAR
24-05-REPAR1
24-05-REPAR0
333040857731607762074042218293884750921728o
335668417731607162074104103561666136899584o
334677407731607995407358580687213879099392o
24-05-IMBETIBA
429509b1-1dd3-425f-a280-50d21d7900ab
23-05-REGAP
23-05-REGAP1
23-05-FAFEN
23-05-FAFEN1
23-05-bahia
23-05-bahia1
23-05-bahia2
23-05-bahia3
23-05-RECAP
23-05-RECAP2
23-05-RECAP1
23-05-RECAP3
23-05-regap-caminhoneiros
23-05-FAFEN-PR2
23-05-FAFEN-PR
23-05-FAFEN-PR3
FAFEN-PR
22-05-REDUC
21-05-REPAR
22-05-RN
22-05-REPLAN
22-05-REPLAN-2
21-05-ABREU-LIMA
fafa
TEMADRE
24-05-Rlam 57795dca-8109-40c1-b3cc-f0c8e3cb44af 8c5eced4-c826-4cfe-b631-548f7840c534 0f96f60a-2c8e-4a62-80ab-94d3a25ef707 24-05-EDISP 3336123618237438109815501078836024580243456o 3338658418236528509906468842425355575754752n 24-05-REPAR 24-05-REPAR1 24-05-REPAR0 333040857731607762074042218293884750921728o 335668417731607162074104103561666136899584o 334677407731607995407358580687213879099392o 24-05-IMBETIBA 429509b1-1dd3-425f-a280-50d21d7900ab 23-05-REGAP 23-05-REGAP1 23-05-FAFEN 23-05-FAFEN1 23-05-bahia 23-05-bahia1 23-05-bahia2 23-05-bahia3 23-05-RECAP 23-05-RECAP2 23-05-RECAP1 23-05-RECAP3 23-05-regap-caminhoneiros 23-05-FAFEN-PR2 23-05-FAFEN-PR 23-05-FAFEN-PR3 FAFEN-PR 22-05-REDUC 21-05-REPAR 22-05-RN 22-05-REPLAN 22-05-REPLAN-2 21-05-ABREU-LIMA fafa TEMADRE

[FUP]

 

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram