Uma razão estruturante para uma derrota de um ciclo histórico

Quinta, 19 Janeiro 2017 13:28

Por Divanilton Pereira*

 

Não só os analistas comprometidos com o ciclo político descortinado pelo povo latino-americano e caribenho a partir de 1998, mas também nós lutadores sociais, já concluímos que o hegemonismo político é uma chaga que isolou e fragilizou esses processos progressistas. Brasil e Venezuela são exemplos mais explícitos dessa insuficiência. Neste último, o líder bolivariano reconheceu isso publicamente.

Como em todos os processos mudancistas há as organizações âncoras, que pelo seu tamanho e influência social, os lideram legitimamente. Contudo, não devem subestimar os verdadeiros adversários e/ou monopolizar as estruturas gestoras. Precisam compartilhar os debates decisórios e com uma visão estratégica, contribuir para o crescimento do seu núcleo central e aliados. Um projeto nacional deve ser o instrumento central para coesionar as forças políticas partícipes e não a troca.

O PT é um dos partidos de esquerda mais importante no mundo. Teve uma meteórica vitória no Brasil e liderou uma frente de centro-esquerda que patrocinou mudanças políticas, econômicas e, sobretudo, sociais, históricas para o nosso povo. No entanto, mesmo após a interrupção desse projeto, menospreza revisar sua postura, particularmente com os seus verdadeiros aliados.

O PCdoB e as organizações sociais das quais participamos foram protagonistas na resistência desde o suposto mensalão até o golpe recente. Na linha de frente em defesa do PT, de seus principais líderes e contra as forças reacionárias do país. O fizemos e faremos novamente em defesa do país, de nosso povo e de nossa democracia. Não houve e nem haverá outra razão para a nossa postura política. Por isso não cobramos publicamente responsabilidades ou reconhecimento fortuito pelo nosso papel.

No entanto, criticamos suas táticas que direta ou indiretamente apoiam o nosso isolamento, as nossas derrotas ou impedem o nosso legítimo crescimento.

São posturas só explicáveis por quem ainda pensa que somos uma sublegenda do PT ou uma mera e eterna corrente de opinião que só tem o papel de apoiar ou defendê-lo. Caso isso prevalecesse, seria uma pequenez que não corresponde com a grandeza de um Partido como o PT.

Nas eleições sindicais, por exemplo, essas manifestações continuam, mesmo num contexto desfavorável à esquerda brasileira e em especial, à classe trabalhadora. Ou nós estamos com eles ou nós somos seus “inimigos”. Outras vezes, somos o alvo principal para os seus ataques. São leituras táticas congeladas que não correspondem objetivamente ao momento que eles atravessam, mas mesmo assim, continuamos até hoje solidários e como aliado prioritário. Para nós a história registra, mas uma pena que nem todos os atores assim percebam.

Reiteramos – inclusive em nosso programa – mais uma vez que, por maior que seja a organização partidária ou social no Brasil, ela sozinha não conseguirá realizar as mudanças estruturais que o país demanda. Sem essa percepção poderemos ficar sempre na beira da praia.

Soergamo-nos, mas juntos, companheiras e companheiros!

*Divanilton Pereira é membro do Comitê Central do PCdoB

Publicado em POLÍTICA

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.