Categorias cutistas fazem atos nesta quinta contra independência do Banco Central

Quinta, 02 Outubro 2014 11:47


A CUT Nacional e sua militância se mobilizarem neta quinta-feira, 02, junto com o Comando Nacional dos Bancários – CONTRAF/CUT, contra as propostas de independência do Banco Central (BC) e para defender o fortalecimento do papel dos bancos públicos. Esses dois temas estão no centro do debate eleitoral, sobre os quais a classe trabalhadora tem posição histórica definida em seus fóruns nacionais. 

É lamentável que, após 12 anos tendo os Bancos Públicos e o Banco Central como instrumentos da política econômica articulada com a política de desenvolvimento e de inclusão social, responsáveis por pogramas como o Pronaf (Programa Naiconal de Fortalecimento da Agricultura Familia) e o Minha Casa Minha Vida, apareçam candidatos que assumem as bandeiras neoliberais gestadas pelos bancos privados e pela Fenaban. É preciso fazer essa discussão com a sociedade, nesse momento decisivo.

Além do apoio político à greve dos bancários, em todo o país, devemos reforçar, no dia 2 de outubro (quinta-feira), as manifestações em frente à sede do Banco Central em Brasília e em frente às representações do BC em São Paulo (às 15h), Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Curitiba, Porto Alegre, Fortaleza e Belém.  Os endereços seguem abaixo.

“O BC tem de ter autonomia, inclusive contra os ataques do sistema financeiro e isso só é possível se o governo continuar responsável e, sobretudo, se a instituição continuar a prestar contas de suas ações com votações públicas, divulgação das atas de suas reuniões, explicando para a sociedade porque tomou cada uma das decisões. Os dirigentes do BC não podem se desviar dos objetivos traçados pelo governo e, se falharem na perseguição desses objetivos, devem ser passíveis de punições. Sem isso seria impossível corrigir a direção, reparar os possíveis erros”, destacou o presidente da CUT, Vagner Freitas, em artigo publicado no último dia 22.

O dirigente cobrou ainda uma maior abertura do BC para que as entidades representativas trabalhadores também possam participar das decisões e não apenas a Febraban (Federação Brasileira de Bancos).  Em 2005, a CUT entregou uma proposta para democratizar o Conselho Monetário Nacional (CMN). Nosso programa exige mais democracia participativa; o de Marina, prega menos democracia.

Bancos de um lado, bancários de outro

"Os bancos e o mercado financeiro já escolheram seus candidatos na eleição presidencial e para defendê-los estão fazendo terrorismo econômico sem precedentes contra a sociedade brasileira. Isso é inaceitável. O Brasil não pode ficar refém dos rentistas e dos especuladores, que manipulam o mercado e as consciências apenas em busca do lucro fácil, sem se importar com a população e com o futuro do país", denuncia Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional.

"Nós, trabalhadores, também temos lado. E é oposto ao dos bancos. Nós queremos o desenvolvimento econômico e social do Brasil, com geração de emprego e distribuição de renda. O mercado financeiro age para concentrar a riqueza, num país que, apesar dos avanços da última década, continua sendo um dos 12 mais desiguais do planeta", acrescenta Cordeiro.

"Por isso somos contrários à independência do Banco Central, que já desfruta hoje de autonomia excessiva e de aproximação promíscua com os bancos. A independência formal do BC significa entregar a condução da política macroeconômica do país a esse mercado financeiro especulador e irresponsável, roubando essa atribuição constitucional dos governos democraticamente eleitos pela população. Seria transformar o BC no sindicato nacional dos bancos. O que o Brasil precisa, ao contrário, é de um BC independente dos bancos e da democratização do Copom, com a participação da sociedade", argumenta o presidente da Contraf-CUT.

Defesa dos bancos públicos

O Comando Nacional dos Bancários também defende a ampliação do papel das instituições financeiras públicas, ao contrário do que pregam os bancos privados e alguns candidatos à Presidência da República. Enfraquecê-las, significaria abrir mão de um poderoso instrumento de fomento de políticas públicas.

Na crise de 2008, enquanto os bancos privados fecharam as torneiras e encareceram o crédito, BB, Caixa, BNDES, BNB e Banco da Amazônia ampliaram a participação na oferta de crédito, saltando de 36% para 51% entre janeiro daquele ano e dezembro de 2013, o que manteve o mercado de consumo aquecido e gerando empregos - reduzindo os efeitos negativos da crise.

"Agora, os bancos privados, paladinos do livre mercado, querem usar o Estado para reduzir o papel dos bancos públicos. Essa redução, combinada com o fim do crédito direcionado, significaria a extinção dos financiamentos a juros mais baixos da agricultura familiar, dos programas de moradia como Minha Casa Minha Vida, do microcrédito e das obras necessárias de infraestrutura de portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, geração e transmissão de energia", alerta Carlos Cordeiro.

"Por isso tudo os trabalhadores do sistema financeiro vão às ruas nesta quinta-feira. Queremos dialogar com a população sobre os riscos que o país corre se essa agenda dos bancos for implementada e mostrar que, ao contrário, o Brasil precisa de mais desenvolvimento, mais e melhores empregos e distribuição de renda", conclui.

Onde haverá manifestações no Banco Central

Brasília - 17h.
São Paulo - 15h.
Rio de Janeiro - 16h.
Belo Horizonte - 15h.
Salvador - 10h.
Curitiba - 10h.
Porto Alegre - 12h.
Recife - 10h.
Fortaleza - 16h.
Belém - 9h.

Fonte: CUT e Contraf

Publicado em DESENVOLVIMENTO

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.