FUP intensifica luta em prol dos petroleiros terceirizados e do setor privado

Sexta, 14 Dezembro 2012 14:10

 

 

FUP

Em reunião nesta sexta-feira, 14, no Rio de Janeiro, a FUP e os seus sindicatos fizeram um balanço das negociações coletivas do setor privado e discutiram os principais eixos de atuação e luta para o próximo ano. A reunião foi convocada pela Secretaria da FUP de Relações Internacionais e Empresas Privadas e contou com a participação dos dirigentes sindicais e assessores que têm atuado diretamente nas campanhas dos trabalhadores terceirizados e operadoras privadas.

Os sindicalistas discutiram os reflexos da precarização e mecanismos para avançar na garantia de condições decentes de trabalho e segurança não só para os terceirizados, como também para os petroleiros contratados pelas empresas privadas (nacionais e multinacionais) que operam na indústria de petróleo. Eles apontaram a urgência da construção de uma convenção coletiva de trabalho que abranja todos esses trabalhadores nacionalmente. Foi discutido um calendário de mobilizações focado diretamente na luta pela construção dessa convenção coletiva.

Outro ponto discutido pela FUP e seus sindicatos foi a intensificação da participação dos petroleiros na luta para barrar o Projeto de Lei 4.330/04, de autoria do deputado federal Sandro Mabel (PMDB-GO), com substitutivo de Roberto Santiago (PSD-SP), que precariza ainda mais as condições do trabalho terceirizado. Se for aprovado, o projeto permitirá a terceirização nas atividades-fim e no setor público, além de acabar com a responsabilidade solidária das empresas contratantes e permitir que um mesmo empresário tenha diversas prestadoras de serviço.O PL se encontra na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, última instância pela qual passará antes de ir à votação no plenário da Casa. Na segunda-feira, 17, a FUP participará da reunião do GT da CUT que vem atuando para barrar o projeto.

Publicado em Últimas Notícias

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.