Com o objetivo de conscientizar a população sobre os danos causados pela política de preços da Petrobrás, FUP e seus sindicatos vendem gás de cozinha e combustíveis ao valor que deveriam ser comercializados

[Comunicado à imprensa]

Após sucesso das ações do Dia Nacional do Combustível a Preço Justo em todo o país, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos, junto à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e ao Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), repetem a iniciativa em vários estados. A primeira atividade ocorreu no início de fevereiro, quando a gasolina e o gás de cozinha foram comercializados a preços bem abaixo do que a população paga. Já em março, além do gás de cozinha e da gasolina, o diesel também foi incluído na manifestação, que vem sendo realizada em várias partes do país. 

O objetivo principal desta ação é conscientizar a população sobre como a política de preços adotada pela Petrobrás desde outubro de 2016 afeta diretamente a vida de todos. A consequência do aumento dos combustíveis pode ser sentida em outros setores, como a alta dos preços na alimentação. O economista Cloviomar Cararine, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), observou que “em momento de graves efeitos da pandemia e de elevadas taxas de desemprego, a inflação em alta penaliza ainda mais os trabalhadores. Os resultados apresentados pelo IPCA de fevereiro, divulgados nesta quinta-feira (11/03), pelo IBGE,  mostram os efeitos perversos sobre a população da política de preços praticada pela Petrobrás em suas refinarias, acompanhando a variação dos preços dos derivados no âmbito internacional. A gasolina e o óleo diesel, somente em fevereiro deste ano, sofreram três aumentos de preços nas refinarias, subindo 18,8% e 21,5%, respectivamente”. 

A FUP alerta que, enquanto o Preço de Paridade de Importação (PPI) estiver no centro da política de reajustes da Petrobrás para os derivados do petróleo, os preços dos combustíveis vão subir com frequência para o consumidor final. A forma de cálculo adotada no governo Temer, em outubro de 2016, faz com que os preços do mercado interno acompanhem as cotações do petróleo no mercado internacional, com as oscilações do dólar e com as importações de derivados. Este cenário deve piorar se a privatização das refinarias se concretizar, aumentando o desemprego, além de fazer disparar os preços já elevados dos derivados de petróleo. 

O coordenador da FUP, Deyvid Bacelar, enfatiza que “estamos denunciando os impactos negativos, para a população, das privatizações de refinarias, terminais e sistemas logísticos que a atual gestão da Petrobrás está promovendo. A venda da RLAM e de outras refinarias criará monopólios regionais, e isso vai aumentar ainda mais os preços dos combustíveis. Isso porque os investidores que adquirirem esses ativos vão poder cobrar o preço que bem entenderem. Sem falar no risco de desabastecimento, se o dono da refinaria optar por exportar combustíveis em vez de vender no mercado brasileiro”. 

É fundamental que toda a população entenda como funciona esta paridade de preços e como a privatização da Petrobrás afetaria ainda mais a sua vida. E com o intuito de dialogar com o povo, explicando o PPI e a importância de defender a empresa, a FUP e seus sindicatos repetirão as ações de comercialização de combustíveis e gás de cozinha a preços justos. Segue calendário: 

AGENDA COMBUSTÍVEIS E GÁS A PREÇO JUSTO 

Sindipetro-RN – De 08 a 12/03, em Mossoró, está acontecendo uma campanha midiática (inserções em rádios, jornal impresso, outdoor e redes sociais) sobre o que pode ser feito para baixar os preços dos combustíveis. Em parceria com duas rádios locais, 93 FM e 95 FM, estão sorteando vouchers no valor de R$ 50,00; que podem ser utilizados no Posto Leste-Oeste (Av. Jerônimo Dix-Neuf Rosado, 106 – Centro de Mossoró).

Sindipetro-ES – Nesta sexta, 12/3, em Linhares, haverá a comercialização de 100 botijões de gás por R$ 40,00 cada, em frente ao IFES, campus Linhares, a partir das 8h.
Sindipetro Duque de Caxias e Norte Fluminense – Nesta sexta, 12/3, comercialização de 350 botijões de gás por R$ 40,00 cada, a partir das 10h, na Vila Vintém (IAPI – Rua Belisário 385), no Rio de Janeiro.

Sindipetro-SP – Nesta sexta, 12/3, a partir das 14h, no Auto Posto Cidade (Rua Frederico Alvarenga, 65 – centro de São Paulo). A ação será voltada às mulheres motoristas de aplicativos. 

PRÓXIMA SEMANA

Sindipetro-PR – No dia 15/3, em Curitiba, haverá comercialização de gasolina a preço justo para motoristas de aplicativos. Local ainda a confirmar.

Sindipetro-BA – Segunda-feira, 15/3, em Feira de Santana – serão 2500 litros, ao meio-dia, no Posto Modelo (centro da cidade). Terça-feira, 16/3, às 12h, em Salvador – local a confirmar (3 mil litros de gasolina).

Publicado em Sistema Petrobrás

A inflação medida pelo IBGE bateu recordes no mês de fevereiro e a alta dos preços dos combustíveis foi uma das principais causas. Em apenas nove dias, a gasolina e o diesel já foram reajustados três vezes. É urgente e necessário o fim do PPI, que tanto penaliza o trabalhador brasileiro

[Nota da FUP]

Para o coordenador geral da Federação Única dos Trabalhadores (FUP), Deyvid Bacelar, “a inflação de fevereiro é a prova mais recente do que estamos denunciando desde 2016. A política de Preço de Paridade de Importação usada pela Petrobrás para reajustar os combustíveis prejudica não apenas a parcela da população que tem veículo, mas toda a sociedade brasileira, já que os valores dos derivados são componentes importantes do cálculo da inflação e geram efeito cascata na cadeia produtiva.

Segundo Bacelar, “é urgente e necessário o fim dessa política, que muito penaliza o trabalhador brasileiro”. Em sua avaliação, a situação irá piorar ainda mais se a venda das refinarias da Petrobrás for adiante, “porque vai ser a instauração definitiva dessa política de preços que olha somente para o exterior para precificar combustíveis produzidos no Brasil, por refinarias brasileiras, da Petrobrás. Quem comprar esses ativos poderá cobrar o preço que quiser, e obviamente se guiará apenas pelos valores internacionais. O bolso do consumidor vai doer ainda mais”, ressaltou o coordenador geral da FUP.

Maior impacto veio do setor de Transportes

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de fevereiro teve alta de 0,86%, bem acima do resultado de janeiro, de 0,25%. Essa foi a maior variação num mês de fevereiro desde 2016. Nos dois primeiros meses de 2021, o índice já variou 1,11% e, nos 12 meses terminados em fevereiro, 5,20%. 

Projeções feitas pelo economista Cloviomar Cararine, da subseção FUP do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), apontam que os resultados esperados para março também são ruins. Até o momento, em apenas nove dias (01/03 a 09/03), os preços da gasolina e do diesel já foram reajustados três vezes, subindo 14,9% e 10,7%, respectivamente.

Dos nove grupos de produtos pesquisados, oito apresentaram alta nos preços. Como esperado, o maior impacto veio do setor de Transportes, contribuindo com 0,45 pontos percentuais (p.p.) no resultado de fevereiro. O preço da gasolina (que subiu 7,11%) impactou em 0,36 p.p. Isto significa que somente a alta da gasolina respondeu por 42% de toda a inflação deste mês. Além disso, o preço do etanol subiu 8,06%, o do óleo diesel, outros 5,4% e do gás veicular, 0,69%.

“Em momento de graves efeitos da pandemia e de elevadas taxas de desemprego, a inflação em alta penaliza ainda mais os trabalhadores. Os resultados apresentados aqui, pelo IPCA, mostram os efeitos perversos sobre a população da política de preços praticada pela Petrobrás em suas refinarias, acompanhando a variação dos preços dos derivados no âmbito internacional. A gasolina e o óleo diesel, somente em fevereiro deste ano, sofreram três aumentos de preços nas refinarias, subindo 18,8% e 21,5%, respectivamente”, observa Cararine, da FUP/DIEESE.

Publicado em Sistema Petrobrás

Combustíveis têm preços elevados pela 6ª vez no ano, o que afeta toda a economia, a inflação e o crescimento do país. Brasil paga “preço de escolha política dos governos Temer e Bolsonaro”, diz o Dieese

[Da Rede Brasil Atual | Foto: Guilherme Santos/Sul21]

Pela sexta vez no ano, a Petrobras elevou nesta terça-feira (9) os preços dos combustíveis, o que agrava em especial a sobrevivência de trabalhadores precarizados. A medida, mais uma vez, coloca em questão o acesso ao gás de cozinha e aperta a margem de sobrevivência econômica de caminhoneirosmotoristas de aplicativos e entregadores. E todos aqueles que têm no deslocamento pela cidade sua fonte de renda. É o que alerta o diretor técnico do Dieese, Fausto Augusto Júnior, em sua coluna na Rádio Brasil Atual

De acordo com o especialista, os reajustes progressivos, anunciados pela Petrobras, estão “retirando a renda de setores muito precarizados em que o preço dos combustíveis interferem na sua remuneração”. Em pouco mais de dois meses, os reajustes acumulados no ano nas refinarias já chegaram a 54% na gasolina, ultrapassando a casa dos R$ 5 na maioria dos postos, e de 41,6% no óleo diesel. Nesta terça-feira (9), a gasolina e o diesel sofreram novo aumento de 8,8% e 5,5%, respectivamente. 

O impacto dos aumentos

Tudo isso para “garantir a taxa de retorno dos acionistas da Petrobras, dos importadores de combustível e dos grandes produtores de etanol”, aponta o Dieese. O “preço de uma escolha” que o Brasil paga desde o governo de Michel Temer ao atual de Jair Bolsonaro com uma política de preços atrelada ao mercado internacional e ao dólar. “Mas teoricamente, porque na prática normalmente ela tem flutuado para cima. Todas as vezes que o preço do petróleo e do câmbio se reduz, de alguma forma, essa redução acaba ficando com o distribuidor”, ressalta. 

“E isso traz impactos diretos na vida das pessoas, cotidianamente elas estão com muita dificuldade. Primeiro para lidar com a alta do preço de um botijão de gás, passando da casa dos R$ 80, em alguns lugares chegando a quase R$ 90. E de alguma forma isso vai afetando diversos setores. No caso dos trabalhadores, em geral, estamos vendo um impacto grande nos trabalhadores de aplicativo, do transporte, taxistas”, explica. 

“Essa forma como a Petrobras escolhe de organizar o preço está de algum modo ligada ao aumento da desigualdade e da concentração de renda”, completa. 

Política de preços intocável 

Os reajustes ainda provocam impactos mais gerais, prejudicando toda a economia, contribuindo para a inflação e impedindo o crescimento econômico. O país, segundo Fausto, está num “looping” em que o preço dos combustíveis aumenta por conta do câmbio. Que por sua vez varia de acordo com o “humor do mercado” que “estressado” contribui para elevar o dólar e em sequência o preço da gasolina. “E isso não faz o menor sentido”, pontua o diretor técnico. 

A solução, define o Dieese, passa por enfrentar o sistema de preços da Petrobras. Mas o que o país está vendo é uma “lambança”, destaca, com relação às medidas de redução dos impostos federais anunciada na semana passada por Bolsonaro. A proposta, comenta Fausto, retira os recursos de arrecadação do próprio Estado e não impacta no bolso do consumidor. A tendência, ainda segundo ele, é que com a venda das refinarias da Petrobras, a dependência do mercado internacional e essa oscilação de preços para cima se torne ainda pior. 

Publicado em Sistema Petrobrás

Nesta quarta-feira, 10, os trabalhadores do Sistema Petrobrás entram no sexto dia de greves na Bahia, no Amazonas, no Espirito Santo e em São Paulo, com novas adesões. Na Bahia, além da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), cujos trabalhadores retomaram a greve na última sexta-feira, 05, o movimento foi intensificado com a adesão dos trabalhadores dos campos terrestres de Taquipe, que também lutam por segurança e contra a precarização e as demissões causadas pelas privatizações.

Nas bases do Sindipetro Unificado de São Paulo, foi a vez dos trabalhadores da Refinaria de Capuava (Recap), em Mauá, se somarem às mobilizações. A greve segue movimentando ainda os petroleiros na Refinaria de Manaus (Reman) e nas bases do Sindipetro Espírito Santo.

Novas adesões começam a ser desenhadas também em outras bases da FUP que aprovaram a greve. Houve atrasos no turno na Regap, em Minas Gerais, na Refinaria Abreu e Lima e no Terminal Aquaviário de Suape, em Pernambuco. No Norte Fluminense, os trabalhadores aprovaram estado de greve e realizam nesta quarta-feira, 10, seminário de greve. Veja abaixo mais detalhes.

Com pautas de reivindicações diversas, os sindicatos da FUP denunciam os impactos das privatizações nas relações de trabalho, em função das transferências compulsórias feitas pela gestão da Petrobrás, da redução drástica de efetivos e do sucateamento das unidades, principalmente as que estão sendo vendidas. O resultado desse desmonte é o risco diário de acidentes, sobrecarga de trabalho, assédio moral e descumprimento rotineiro do Acordo Coletivo de Trabalho.

Veja como estão as mobilizações em outras bases:

Minas Gerais

Os petroleiros da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG), se somaram às mobilizações nesta quarta-feira, 10, com atrasos na entrada do turno e debates com o sindicato sobre o processo de negociação da pauta local. Os trabalhadores estão negociando com a gerência da Regap reivindicações relacionadas às condições de segurança na refinaria, como efetivo mínimo de trabalhadores, tabela de turno e medidas de prevenção ao avanço da pandemia de covid-19, principalmente, em função das paradas de manutenção que estão ocorrendo.

Pernambuco

Os petroleiros da Refinaria Abreu e Lima e do Terminal Aquaviário de Suape realizaram atos no início da manhã, com atrasos na entrada do expedientes, em protesto contra o sexto aumento este ano no preço dos derivados de petróleo e cobrando condições seguras de trabalho nas unidades do Sistema Petrobrás em Pernambuco, que estão em processo de privatização. O Sindipetro-PE/PB denuncia o sucateamento das unidades, com impacto direto nas condições de trabalho, como a redução dos quadros de efetivos e o descumprimento de normas de segurança que colocam em risco a vida dos trabalhadores.

Os impactos das privatizações no Sistema Petrobrás também estão sendo denunciados pelos petroleiros em atividades no centro de Recife.

Norte Fluminense

Em estado de greve, os trabalhadores das bases de terra e mar da Bacia de Campos realizam nesta quarta-feira, 10, seminário de greve para discutir coletivamente a construção de um grande movimento de paralisação, pelo cumprimento de direitos da categoria e contra o desmonte da Petrobrás, que já se desfez de várias plataformas na região e está privatizando diversas outras.

“A conjuntura de pandemia e de governo Bolsonaro está impondo estratégias cada vez mais inteligentes aos movimentos grevistas. O Sindipetro-NF tem tradição na construção de formas ousadas e alternativas de greve, que muitas vezes surpreenderam a gestão da empresa e produziram conquistas importantes. Toda essa história é feita de forma coletiva, nos seminários, nas reuniões setoriais, assembleias e outras formas de interação com a categoria”, destaca o sindicato.

Combustíveis a preços justos

Enquanto a Petrobrás reajusta pela sexta vez os combustíveis este ano, os sindicatos da FUP intensificam as ações solidárias de venda subsidiada da gasolina, do diesel e do gás de cozinha, mostrando para a sociedade que é possível comprar derivados de petróleo por preços justos. A apesar de produzidos nas refinarias brasileiras com petróleo nacional, os combustíveis são vendidos a preços internacionais e custo de importação. 

Uma conta que não fecha para os consumidores brasileiros, pois é baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI). política de reajuste dos derivados de petróleo que foi implantada em 2016 no governo Temer e mantida pelo governo Bolsonaro.

Cada vez que o preço do barril de petróleo, que é cotado em dólar, sobe lá fora, a Petrobrás reajusta os preços dos combustíveis aqui no Brasil. Com isso, só em 2021, a gasolina já aumentou 54%, e o diesel 41,5% nas refinarias. Os brasileiros estão refém das oscilações do mercado internacional e da disparada do dólar, o que tem sido constante. A FUP e seus sindicatos vêm denunciando há mais de quatro anos os prejuízos do PPI e cobrando a adoção de uma política de Estado para o mercado de combustíveis, que garanta preços justos para o povo brasileiro e o abastecimento nacional. 

Para ampliar esse diálogo com a população, os petroleiros farão novas ações solidárias nos próximos dias em diversas regiões do país, cujo calendário será divulgado em breve. Na semana passada, nove municípios do país foram atendidos pelas ações da FUP e de seus sindicatos, que junto com a CUT e movimentos sociais, distribuíram 22 mil litros de gasolina a R$ 3,50 o litro, 10 mil litros de óleo diesel a R$ 3,09 o litro, e 450 botijões de gás de cozinha a R$ 40,00 o botijão de 13 kg. 

Fotos do sexto dia de greve:

e83380bd-89ac-4b89-9f00-95ae50295326
dd8cc26e-4a2a-4c21-a13c-36ccd7d5e585
d157506c-e6c3-4ee9-a893-31d65d33fe19
d241d8dd-21ac-4a26-b1c2-46987b4a280b
d204bba7-4cfa-4197-b540-b4d0ade8e26d
c7376840-d4f2-4632-8881-b5bed984a078
8809a263-62c8-439d-b40e-11841c98af6b
b498434a-bb8b-4158-b9d0-7b863b0620f8
08224a5f-bdbc-407f-9812-0be284926d02
04e536ae-b571-4f10-98b8-5ddc311ca507
3b31f2ca-adc7-42eb-be67-a5f3ac964bcf
3ae4367d-1224-46f6-bb5d-17f2e7f10432
recapp
geral
recap
f1965ac7-67a3-4884-a06c-813829218ab7
cibele
bc4c32e0-7404-4994-8208-5ee786edb262
472b2579-5750-457c-86c8-c64d9f287a97
taquipe2
taquipe
suape2
suape
Rlam
seminrio-greve-nf
regap3
regap
regap2
recap
geral-abreu-e-lima
e62ea195-e5b1-46c9-9bc6-9c5f96e5b8cb
ff15dc9f-4873-49ab-9480-b06a32af6a75
a700927f-ce1d-4dd7-b03c-2add335c20b2
b8f54063-0e9f-4e4e-8d06-db69571aea33
a7f2140d-c28e-4afd-8c3c-ec11349d5f29
79323397-32f4-4078-a667-40b8d3311fb9
03592f7e-a84d-411e-a6ed-81ec5ef9aa37
6d9fec42-e802-4432-90bb-c42328ef1459
3bc161a4-9095-4394-a94d-9c2ede86f685
5f545330-7852-4fcd-a9fa-6c326b8da8f4
e83380bd-89ac-4b89-9f00-95ae50295326 dd8cc26e-4a2a-4c21-a13c-36ccd7d5e585 d157506c-e6c3-4ee9-a893-31d65d33fe19 d241d8dd-21ac-4a26-b1c2-46987b4a280b d204bba7-4cfa-4197-b540-b4d0ade8e26d c7376840-d4f2-4632-8881-b5bed984a078 8809a263-62c8-439d-b40e-11841c98af6b b498434a-bb8b-4158-b9d0-7b863b0620f8 08224a5f-bdbc-407f-9812-0be284926d02 04e536ae-b571-4f10-98b8-5ddc311ca507 3b31f2ca-adc7-42eb-be67-a5f3ac964bcf 3ae4367d-1224-46f6-bb5d-17f2e7f10432 recapp geral recap f1965ac7-67a3-4884-a06c-813829218ab7 cibele bc4c32e0-7404-4994-8208-5ee786edb262 472b2579-5750-457c-86c8-c64d9f287a97 taquipe2 taquipe suape2 suape Rlam seminrio-greve-nf regap3 regap regap2 recap geral-abreu-e-lima e62ea195-e5b1-46c9-9bc6-9c5f96e5b8cb ff15dc9f-4873-49ab-9480-b06a32af6a75 a700927f-ce1d-4dd7-b03c-2add335c20b2 b8f54063-0e9f-4e4e-8d06-db69571aea33 a7f2140d-c28e-4afd-8c3c-ec11349d5f29 79323397-32f4-4078-a667-40b8d3311fb9 03592f7e-a84d-411e-a6ed-81ec5ef9aa37 6d9fec42-e802-4432-90bb-c42328ef1459 3bc161a4-9095-4394-a94d-9c2ede86f685 5f545330-7852-4fcd-a9fa-6c326b8da8f4

[Da imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

A direção da Petrobrás anunciou nesta segunda-feira (8) o sexto reajuste este ano da gasolina e do óleo diesel, que, apesar de produzidos nas refinarias brasileiras com petróleo nacional, são vendidos a preços internacionais e custo de importação. Uma conta que não fecha para os consumidores brasileiros, pois é baseada no Preço de Paridade de Importação (PPI). política de reajuste dos derivados de petróleo que foi implantada em 2016 no governo Temer e mantida pelo governo Bolsonaro.

Cada vez que o preço do barril de petróleo, que é cotado em dólar, sobe lá fora, a Petrobrás reajusta os preços dos combustíveis aqui no Brasil. Com isso, só em 2021, a gasolina já aumentou 54% e o diesel 41,5% nas refinarias. Os brasileiros estão refém das oscilações do mercado internacional e da disparada do dólar, o que tem sido constante. A FUP e seus sindicatos vêm denunciando há mais de quatro anos os prejuízos do PPI e cobrando a adoção de uma política de Estado para o mercado de combustíveis, que garanta preços justos para o povo brasileiro e o abastecimento nacional. 

“É urgente e necessário o fim dessa política de preços da Petrobrás, que muito penaliza o trabalhador brasileiro. E se a venda das refinarias for adiante, será a instauração em definitivo dessa política de preços que olha somente para o exterior para colocar preço em combustíveis produzidos no Brasil, por refinarias brasileiras, da Petrobrás. Quem comprar esses ativos poderá cobrar o preço que quiser, e obviamente se guiará apenas pelos valores internacionais. Por isso alertamos sempre que o bolso do consumidor vai doer ainda mais”, afirma o coordenador da FUP, Deyvid Bacelar.  

“Desde outubro de 2016 denunciamos que isso iria acontecer. A política de preços dos combustíveis baseada nos preços de paridade de importação não garante o abastecimento do mercado nacional, muito pelo contrário. Com as refinarias operando com capacidade bem abaixo do que poderiam, cresce a importação de derivados de petróleo por empresas que se instalaram no país. São produtos que poderiam estar sendo produzidos pelas refinarias da Petrobrás e não estão. E se essas plantas forem vendidas, como a empresa planeja, corre-se o risco de os combustíveis não chegarem à toda população brasileira. E quando e se chegarem, serão a preços abusivos, por conta da atual política de preços baseada exclusivamente no mercado internacional”, acrescentou.

[Da comunicação da FUP]

 

Publicado em Sistema Petrobrás

De 08 a 12 de março a diretoria do SINDIPETRO-RN está promovendo uma ação na mídia de Mossoró sobre o preço justo dos combustíveis. A capital do oeste potiguar é a primeira cidade do Rio Grande do Norte a receber a campanha publicitária. Neste primeiro momento a ação está sendo veiculada em duas rádios (93 FM e 95 FM), jornal impresso (Jornal De Fato), outdoor e redes sociais.

A campanha tem como prerrogativa conscientizar a população sobre o preço justo no diesel, gasolina e gás de cozinha em todo território nacional. O aumento quase que semanal nos preços dos combustíveis segue a política de preços em que o valor do barril de petróleo é baseado no preço do dólar, aumentando deliberadamente o preço nas refinarias da Petrobrás.

Essa política de preços absurda beneficia majoritariamente os acionistas privados, pois o Estado Brasileiro detém cada vez menos participação na Estatal brasileira (deteve algo em torno de 50% e hoje apenas 36,75% das ações totais). O modelo atual de precificação foi instaurada no governo Michel Temer em 2016, e segue com aval do atual presidente da República.

Para o Diretor da FUP e secretário-geral do SINDIPETRO-RN, Pedro Lúcio, o presidente tem em suas mãos o poder de mudar esse cenário abusivos dos combustíveis. “Com algumas canetadas Bolsonaro pode baixar o preço do diesel, gasolina e gás de cozinha. O presidente precisa alterar a atual política de preços da Petrobrás, que está cobrando em dólar. Se nosso salário é em real porque compramos a gasolina em dólar?”.

O dirigente continua, “retornar imediatamente o funcionamento das refinarias do país para 100%. Hoje o funcionamento das refinarias foi reduzido para 60 a 70% da capacidade. Refinando mais no Brasil, o valor dos combustíveis vai cair. E por fim, cancelar as privatizações das refinarias e a venda dos campos terrestres da Petrobrás. As multinacionais querem a privatização para abocanhar nossas riquezas e cobrar mais caro pelos combustíveis”, explica Pedro.

A ação midiática do SINDIPETRO-RN já está na rua e pode ser vista em outdoor’s na Avenida João da Escóssia, no Nova Bethânia, e na Avenida Leste Oeste, no Centro da cidade.

Nas rádios o sindicato está veiculando spot’s sobre o assunto e fazendo sorteios de voucheres de gasolina no valor de R$50,00. Para participar do sorteio na 95 FM, ligue 3315 – 0733. Na 93 FM a participação para concorrer ao brinde pode ser no 3315-3200.

[Da imprensa do Sindipetro-RN]

Publicado em SINDIPETRO-RN
Domingo, 07 Março 2021 19:30

Greve dos petroleiros entra no terceiro dia

Os sindicatos dos petroleiros do Amazonas, Bahia, Espírito Santo e São Paulo, entram neste dia 07 no terceiro dia de greve. Os sindicatos de Pernambuco e Minas Gerais já aprovaram a greve em suas bases e devem fortalecer a luta nos próximos dias. Os demais sindicatos filiados ainda estão em processo de assembleia. 

Com pautas de reivindicações diversas, os sindicatos denunciam os impactos das privatizações nas relações de trabalho, em função das transferências compulsórias feitas pela gestão da Petrobrás, da redução drástica de efetivos e do sucateamento das unidades, principalmente as que estão sendo vendidas. O resultado desse desmonte é o risco diário de acidentes, sobrecarga de trabalho, assédio moral e descumprimento rotineiro do Acordo Coletivo de Trabalho.

O coordenador da FUP, Deyvid Bacelar, está acompanhando a greve de sua base na Bahia. Assista ao vídeo com o Coord. Geral da FUP e veja como está o movimento. 

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A greve que teve início ontem, entra em seu segundo dia de paralização. Os petroleiros da Bahia, Espirito Santo, Amazonas e São Paulo (Mauá e Campinas), seguem em greve neste sábado, 06. 

A categoria reivindica a implementação de política efetiva de combate ao assédio moral nas unidades da Petrobrás; incorporação dos trabalhadores concursados da PBIO à Petrobrás, caso a Usina de Biocombustíveis de Candeias seja realmente vendida; fim das dobras de turno e das prorrogações de jornada; rever a política do efetivo mínimo do O&M (Organização e Método) nos diversos setores da estatal.

Além da implantação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico da jornada de 12 (doze) horas diárias, já praticada desde 2020 e aprovada pela categoria em assembleia e o fim da exigência de quitação do passivo trabalhista anterior a fevereiro/2020 para firmar esse documento; iniciar discussão e tratamento para a situação das empresas contratadas, em especial dos contratos de trabalhos e direitos dos empregados terceirizados; apresentação pela Companhia, do passivo ambiental, dos acidentes de trabalho (tudo que envolva agentes de riscos aos trabalhadores, seus compromissos de pagamentos e de seus sucessores).

Filiados à Federação Única dos Petroleiros (FUP), esses sindicatos também estavam negociando suas pautas reivindicatórias regionais diretamente com a Companhia. Os demais Sindipetros estão realizando assembleias com as suas bases, e, em breve, decidem se também vão aderir à greve.

Greve na Bahia 

A greve, que é por tempo indeterminado, inicialmente, acontece apenas na RLAM, onde há uma extensa pauta de reivindicações dos trabalhadores. Entre outras coisas, os petroleiros reivindicam que a Petrobrás envie ao Sindipetro Bahia, a cópia do contrato de venda da Refinaria Landulpho Alves para o fundo Árabe Mubadala ou apresente e coloque em discussão o cronograma de transição da operação da unidade, os prazos de transferências de trabalhadores, seus critérios e prioridades, além das regras que utilizará para indenizar as transferências desses trabalhadores. Eles querem a garantia da permanência dos postos de trabalho dos trabalhadores próprios e terceirizados e também de que não haverá redução salarial, retirada de direitos, de benefícios e vantagens.

A Refinaria Landulpho Alves, localizada no município de São Francisco do Conde (Recôncavo baiano),tem cerca de 900 trabalhadores concursados e 1.700 terceirizados.

No dia 18/02, o Sindipetro Bahia resolveu suspender a greve, que seria iniciada nessa data, para dar continuidade às negociações com o RH Corporativo da Petrobrás, uma vez que a estatal demonstrou publicamente o seu desejo de seguir com o processo negocial.

Após a suspensão da greve, aconteceram mais duas rodadas de negociação (já haviam ocorrido duas anteriormente) sem nenhum avanço, até que o Sindipetro foi surpreendido com a decisão da estatal de encerrar a mesa de negociação, não restando outro caminho a não ser o de retomar o movimento paredista.

A entidade sindical reafirma a sua disposição para a negociação, mas rechaça e denuncia o que vem acontecendo nas unidades da estatal em todo o Brasil: “assédio moral, pressão, ameaças e política antissindical viraram ferramenta de gestão da atual diretoria da Petrobrás e isso não podemos tolerar”.

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A pauta dos trabalhadores organizados no Sindipetro-SP inclui aumento da utilização das refinarias e a oferta de combustíveis a preços justos

[Da imprensa do Sindipetro Unificado SP]

Esta sexta-feira (5) amanheceu em clima de mobilização nas bases do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP), com atrasos de duas horas realizados por trabalhadores das refinarias de Paulínia (Replan) e Capuava (Recap), localizadas nos municípios paulistas de Paulínia e Mauá, respectivamente.

O protesto pode ser considerado uma prévia da greve que já foi aprovada pela categoria em assembleias realizadas entre os dias 22 e 27 de fevereiro. Além das refinarias, também corroboraram a paralisação os petroleiros dos terminais da Transpetro, do Edifício Sede de Brasília (Esbras) e das usinas termelétricas Fernando Gasparian (UTE FEG) e Luís Carlos Prestes (UTE LCP).

Como determina a legislação que rege o direito de greve, o Sindipetro-SP enviou um comunicado de greve às gerências da Petrobrás e da Transpetro no dia 1 de março, informando as pautas locais de cada unidade.

As reivindicações incluem a reposição de trabalhadores, pagamento de homologações e outros descontos indevidos, garantia de direitos previstos em acordo coletivo e um plano de segurança operacional, devido ao número crescente de acidentes.

Apesar do envio das pautas detalhadas e especificadas por cada unidade, a Petrobrás enviou um documento no qual ignora todos os pleitos apresentados. Por outro lado, requisita uma reunião para negociar um contingente mínimo de empregados com o propósito de “garantir a prestação dos serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade”.

Como tréplica, a direção do Sindipetro-SP redigiu um novo texto, encaminhado na última quinta-feira (4), no qual aponta que a greve visa “o aumento da produção em nossas refinarias, a operação das fábricas com número suficiente e seguro de trabalhadores e a diminuição dos preços dos derivados. Tudo isso seguindo os melhores protocolos de saúde, higiene e segurança para a pandemia”.

Pelo fim do PPI

Nos últimos anos, o fator de utilização das refinarias (FUT) – que é porcentagem de produção em relação à capacidade total da unidade – tem caído progressivamente. Em 2013, por exemplo, o FUT era de 94%. Em janeiro deste ano, o FUT foi de apenas 74%.

“Quem não está cumprindo com ‘a prestação de serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade’ é a própria direção atual da Petrobrás, que tem subutilizado suas refinarias”, afirma o diretor do Sindipetro-SP, Arthur Bob Ragusa.

Essa diretriz de diminuir a produção de derivados tem ocasionado, por outro lado, o aumento da importação de combustíveis. Além disso, desde 2016, a Petrobrás passou a aplicar o preço de paridade de importação (PPI), que vincula os reajustes dos combustíveis às variações internacionais do barril do petróleo e da cotação do dólar.

“Devido ao PPI, apesar dos estoques nas refinarias e terminais estarem altos, a Petrobrás está perdendo mercado nacional para importadoras, aumentando exportação de derivados, enquanto a comunidade paga preços cada vez mais altos pelos combustíveis e gás de cozinha”, pontua o documento.

Publicado em Sistema Petrobrás

Desde o final da manhã uma grande fila de carros se formou em frente ao Posto Modelo, no centro da cidade de Feira de Santana, na Bahia. Os motoristas aguardavam o início da ação do Sindipetro Bahia de venda de gasolina a preço justo.

O litro do combustível foi vendido por R$ 3,50, o restante do valor foi subsidiado pelo Sindipetro. ”Uma grande oportunidade, principalmente para a gente que trabalha com entrega e precisa da moto para se locomover”, disse um dos motociclistas que aguardavam na fila.

A ação que também aconteceu em outras cidades e capitais do país, marcando o Dia Nacional de Luta por preços Justos para os Combustíveis, teve o objetivo de provocar um debate na sociedade sobre a política de preços da Petrobrás, que atrela os preços dos combustíveis no Brasil ao valor do barril de petróleo no mercado internacional, levando aos aumentos constantes dos preços dos derivados de petróleo, como o diesel, gasolina e gás de cozinha. Só nesse ano a gasolina e o diesel tiveram cinco aumentos.

A ação em Feira de Santana, que contou com ampla cobertura da imprensa atendeu os 120 primeiros motoristas que chegarem ao posto. Eles puderam abastecer seus veículos com 20 litros de gasolina. Os 80 primeiros motociclistas tiveram o direito de abastecer suas motos com 5 litros de gasolina. Foram comercializados um total de 2.800 litros de gasolina a preço justo.

Já na cidade de Simões Filho a ação do Sindipetro priorizou a venda subsidiada de diesel. A ação beneficiou os caminhoneiros autônomos que puderam abastecer seus caminhões com com 100 litros de diesel ao preço justo de R$ 3,09, o litro.
 
O coordenador da FUP, Deyvid Bacelar, o coordenador do Sindipetro Bahia, Jairo Batista, os diretores do Sindipetro, Radiovaldo Costa, André Araújo e Leonardo Urpia (que também é vice-presidente da CUT Bahia), acompanharam as ações nas duas cidades e afirmaram que a população recebeu muito bem a campanha do sindicato pelo preço justo do combustível. Para eles a ação foi gratificante pela boa adesão da população que entendeu toda a problemática e a necessidade de pressionar o governo Bolsonaro para mudar essa política de preços que tem prejudicado muito a população brasileira.

O Sindipetro vai dar continuidade a essa campanha de esclarecimento da população subsidiando os preços da gasolina, diesel e gás de cozinha, para que os consumidores possam comprar esses produtos a um preço justo. Em breve, a entidade sindical anunciará as outras cidades da Bahia que serão contempladas com a ação.

[Da imprensa do Sindipetro Bahia]

Publicado em Sistema Petrobrás
Página 8 de 13

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.