GT do Xisto encerra atividades com boas perspectivas para a SIX

Quarta, 31 Maio 2017 09:15

Analisar, debater e propor alternativas técnicas viáveis para potencializar as operações da Usina do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul (PR), com o objetivo de garantir a continuidade da operação do parque industrial, fundamental para a economia do município e também da região centro sul do Paraná.  Essa foi a missão do Grupo de Trabalho (GT) do Xisto, formado por representantes do Sindipetro Paraná e Santa Catarina e FUP e da Petrobrás e SIX, com mediação do Ministério de Minas e Energia (MME). Foram meses de estudos e debates, ora presenciais, outrora por teleconferências, para chegar a um relatório que identificou alternativas técnicas para a SIX que não apenas justificam a manutenção das suas operações, como ampliam a capacidade do parque industrial e também as oportunidades de mercado.

O último encontro presencial aconteceu no dia 25 de maio, em Brasília (DF), e teve a tarefa de concluir o relatório do GT. No documento estão apontadas as propostas técnicas viáveis e também as que podem ser aplicadas em outra conjuntura econômica ou tecnológica.

O Grupo apontou que o processamento do lastro (borras oleosas de reservatórios), originárias de outras unidades da Petrobrás, cujo descarte tem alto custo e torna-se novos produtos a partir da utilização na SIX, é uma grande oportunidade de mercado para a Usina e inclusive já está em curso.

A potencialização do Projeto Xisto Agrícola também está no rol de negócios viáveis do relatório. Consiste em utilizar sólidos de xisto e água de xisto como adubo que possui riqueza de nutrientes orgânicos e minerais. A partir dessa prática são gerados os produtos Água de Retortagem, Calxisto, Finos de Xisto e Xisto Retortado.

O documento final do GT do Xisto ainda traz a redução dos custos de mineração como uma prática vantajosa para dinamizar a produção da SIX. Entre as ações propostas para esse item está a unificação dos contratos de prestação de serviços, a otimização de grandes máquinas, a substituição de caminhões por vagões e a implantação de ferrovias para transporte do xisto e demais minérios.

A Petrobrás assumiu o compromisso de aplicar as alternativas consideradas viáveis pelo GT do Xisto nesse momento e avaliar periodicamente as outras ações propostas pelo Grupo, mas que não foram classificadas como praticáveis no atual cenário, porém podem ser interessantes no futuro.

Para o presidente do Sindipetro Paraná e Santa Catarina, Mário Dal Zot, o relatório do GT é animador. “Trouxe boas perspectivas não apenas para manter a produção da SIX, mas também no sentido de ampliar o leque de negócios e potencializar as operações. A mediação dos representantes do Ministério de Minas e Energia foi muito importante para o diálogo entre o Sindicato e a Petrobrás. O resultado é um relatório bastante conclusivo e com muitas alternativas técnicas positivas para a Usina do Xisto”, afirmou.

Sobre a Usina do Xisto

A SIX tem capacidade instalada para o processamento de 5.880 toneladas/dias de xisto pirobetuminoso. A partir da sua produção são gerados óleo combustível, nafta, gás combustível, gás liquefeito e enxofre, além de produtos que podem ser utilizados nas indústrias de asfalto, cimenteira, agrícola e de cerâmica.

Fonte: Sindipetro-PR/SC

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram