Sindicato denuncia falta de ambulatórios em terminais da Transpetro em São Paulo Destaque

Quinta, 19 Julho 2012 12:38
Avalie este item
(0 votos)

Sindipetro SP

O descaso e o jogo de empurra-empurra da Transpetro para implementar os ambulatórios faz com que os trabalhadores tenham que contar com a sorte no dia dia do trabalho.

O Terminal de Rio Pardo, onde existe o sistema de confinamento para os trabalhadores (o acesso a ao local é complicado), não possui nenhum ambulatório e não tem médico ou enfermeiro no local. Caso ocorra alguma emergência no local uma ambulância levará aproximadamente 2h30 para chegar e mais 2h30 para levar o trabalhador a algum posto de saúde.

Outro terminal com problemas similares é o de Guarulhos. O número de trabalhadores aumenta a cada dia no local; recentemente foi inaugurado o Laboratório e para o próximo ano está prevista a chegada da malha do gás. Mesmo assim, a empresa conta com a sorte, pois não disponibiliza ambulatórios e uma equipe de saúde para atender os trabalhadores.

Mais um caso emblemático do modelo de gestão da Transpetro é o Terminal de São Caetano do Sul, que possui um ambulatório construído há mais de ano e, mesmo assim, a equipe médica tem de ficar acomodada num contêiner totalmente desestruturado para atender os petroleiros. Até hoje o novo ambulatório não foi “inaugurado”, pois falta saber de onde virá verba para adequá-lo às normas legais.

Terminais como Barueri, Guararema e o Osbra estão em situações semelhantes. A Transpetro brinca de roleta russa com os trabalhadores, em qualquer emergência, a empresa não tem condições de agir rapidamente.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram