O diretor da área de Saúde, Meio Ambiente e Segurança da FUP, Raimundo Teles dos Santos, participa neste sábado, 10, do programa Debate Petroleiro, que terá como pauta as denúncias sobre tratamento precoce e o uso de Ivermectina receitado por médicos da Petrobras para trabalhadores com sintomaas ou que testaram positivo para o COVID-19. O programa terá também a presença do senador Humberto Costa (PT/PE), ex-ministro da Saúde no primeiro governo Lula. 

Apesar da ivermectina ser um antiparasitário, comumente utilizado no combate a piolhos, sem qualquer eficácia comprovada no tratamento da Covid-19, trabalhadores da Bacia de Campos com sintomas da doença ou já contaminados tiveram o medicamento prescrito pelo setor médico da Petrobrás. O Sindipetro-NF e a FUP receberam várias denúncias nesse sentido, atraindo a atenção da imprensa.

As denúncias tiveram ampla repercussão nas mídias, com mais de 100 matérias veiculadas sobre o fato, inclusive uma ampla reportagem exibida pelo telejornal RJ TV na última quinta-feira, 02. A Petrobrás foi obrigada a se posicionar e disse que a responsabilidade é dos médicos e não da companhia.


Leia também: CPI da Covid quer explicações da Petrobrás sobre adoção de tratamento precoce para os trabalhadores


 

O Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro/MG) já contabilizou mais de 78 casos de contaminação por coronavírus de trabalhadores efetivos e terceirizados na Refinaria Gabriel Passos (Regap), desde a semana passada.

Infelizmente, os casos aumentaram com o início da parada de manutenção, como previsto pelo Sindicato, devido ao aumento do número de trabalhadores em trânsito na unidade.

Diante da grave situação, o Sindipetro/MG enviou ofício nesta segunda-feira, dia 15/03,  à gerência geral da Refinaria, solicitando a suspensão da parada de manutenção e outras medidas para proteger os petroleiros e suas famílias. Uma vez que as unidades de saúde de Betim e Belo Horizonte estão lotadas, e muitos estão com dificuldade para conseguir atendimento  médico e internação.

Vale lembrar que há dois meses o Sindicato notificou a empresa sobre os riscos a que seriam expostos os trabalhadores ao serem submetidos a condições inadequadas de prevenção ao Coronavírus.

Como resposta ao alerta do Sindicato, a empresa afirmou que “todos os protocolos a serem seguidos pela EOR para realização da Parada Programa na REGAP estão em consonância com a preocupação da Companhia com a preservação da saúde dos seus colaboradores e a continuidade da refinação, essencial para a sociedade”.

No entanto, entre outras falhas, uma das principais medidas preventivas, a de evitar aglomerações, não está sendo respeitada em decorrência do alto número de trabalhadores que foi alocado para cumprir as atividades da parada de manutenção.

Assim, o ofício enviado esta pelo Sindicato apresenta as seguintes demandas:

  • Imediata interrupção das atividades da Parada de Manutenção nos setores Coque e HDT; 
  • Suspensão de novas paradas de manutenção previstas para as próximas semanas, incluindo a intervenção na unidade UDAV1 (setor DH); 
  • Redução imediata do quadro de empregados (próprios e terceirizados) em trabalho presencial na Regap, exceto pelas atividades essenciais para a continuidade operacional em segurança na refinaria e para a garantia da produção para abastecimento das necessidades inadiáveis da população, garantida a irredutibilidade salarial e a manutenção do emprego de todos os empregados próprios e terceirizados; 
  • Isolamento imediato, garantida a irredutibilidade salarial e a manutenção do emprego de todos os empregados (próprios e terceirizados) que tiveram contato com casos suspeitos e confirmados da Covid-19;
  • Envio do número de trabalhadores contaminados (próprios e terceirizados) pela Covid19 na Regap, desde o início da Parada de Manutenção dos setores Coque e HDT;

Abaixo, leia o documento:

Ofício_016_2021_Suspensão_das_Paradas_de_Manutenção_REGAP

[Da imprensa do Sindipetro MG]

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.