Encontro interestadual tem como objetivo definir pautas estratégicas a serem apresentadas na Plenária Nacional da FUP

[Da imprensa do Sindipetro Unificado SP]

Entre os dias 8, 9 e 10 de julho, o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP), em mais uma parceria com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria do Petróleo de Pernambuco e Paraíba (Sindipetro–PE/PB), realizará Congresso online  para discutir as diretrizes da categoria e propostas para o próximo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) a serem apresentadas na IX Plenária Nacional da Federação Única dos Petroleiros.

Devido à pandemia de covid-19, pelo segundo ano consecutivo o Congresso Estadual de São Paulo, Pernambuco e Paraíba será realizado inteiramente online. Os trabalhadores da ativa e aposentados que quiserem acompanhar e participar dos debates deverão se inscrever clicando aqui. Só poderão participar das discussões os petroleiros que estiverem devidamente cadastrados.

O encontro será transmitido via Meets e o link para acesso à sala será disponibilizado 30 minutos antes do inicio de cada conferência. Para acessar, o trabalhador (a) devera clicar no link recebido, preencher o campo solicitado com o nome completo e pedir para participar, após o procedimento só será necessário aguardar o moderador.

IX Plena FUP

O encontro também terá como objetivo definir os delegados e delegadas das chapas que representarão os sindicatos no IX Plena FUP. O Sindipetro-SP possui 08 vagas e as chapas devem se atentar a proporcionalidade de gênero com pelo menos 17% das ocupações destinadas à petroleiras.

As chapas interessadas em participar da delegação deverão se inscrever no Congresso até dia 07 de julho, às 12h, pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., enviando nome, matrícula, empresa e local de trabalho dos participantes do grupo.

Vale lembrar que, para participar da discussão sobre a pauta de reivindicações, é necessário ter acompanhado os debates anteriores mas, caso o participante não consiga assistir a todas as mesas, será disponibilizado, após o encerramento do Congresso, um link com a gravação de todo o encontro. Para ter acesso aos vídeos, é necessário estar inscrito com e-mail dos provedores Gmail, Outlook ou Hotmail.

Confira a programação completa:

Quinta-Feira (08/07) – Abertura

17h – Abertura do Congresso

18h – Debate sobre conjuntura com Humberto Costa, médico, jornalista e Senador de Pernambuco pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

Sexta-Feira (09/07) – Painel sobre petróleo

17h – Debate sobre setor petrolífero com os pesquisadores e economistas Henrique Jäger, do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), e Cloviomar Cararine, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Sábado (10/07) – Pautas de Reivindicação e eleição

9h às 12h – Debate sobre formas de negociação e representação sindical com trabalhadores do Sindicato dos Químicos e do Sindicato dos Bancários.

14h às 17h – Votação e aprovação dos temas discutidos nos grupos de trabalho

17h30 – Eleição de delegados (as) para a IX Plena FUP e encerramento

Ação solidária do Sindipetro-PE/PB na Zona Oeste do Recife vem ajudando centendas de famílias, fornecendo botijões de gás para o preparo das refeições que alimentam a população em situação de risco

[Da imprensa do Sindipetro-PE/PB |Fotos: Sindipetro e Paloma Luna\MTST]

Na quinta-feira (20), a direção do Sindicato dos Petroleiros de Pernambuco e Paraíba participou da inauguração da Cozinha Solidária do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), no terreno localizado na Vila Santa Luzia, no bairro da Torre (Zona Oeste do Recife). A unidade é a 9ª e mais recente montada pelo MTST, que pretende instalar 26 iniciativas do gênero em todo o Brasil (ainda no primeiro semestre deste ano), com a meta de produzir e distribuir 32 mil refeições por mês. Na capital pernambucana, o Sindipetro será uma das organizações a apoiar o projeto e irá fornecer mensalmente 15 botijões de gás de cozinha para auxiliar no preparo dos alimentos.

A ocupação foi instalada no antigo Núcleo de Triagem de Recicláveis (pertencente à Prefeitura do Recife) e ocorreu na noite da última segunda-feira (17), com o objetivo de construir uma cozinha solidária para o combate à fome de forma gratuita. O terreno em questão estava abandonado há mais de dez anos, deixando de cumprir qualquer função social – ferindo o artigo 182 da Constituição Federal de 1988 e as atribuições de uso do espaço urbano preconizadas pela Lei Municipal Nº 18.770/2020 que institui o novo plano diretor da cidade do Recife.

Esta foi a primeira Cozinha Solidária montada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto no estado de Pernambuco. Em operação desde a terça-feira (18), a Cozinha Solidária distribuiu, nos três primeiros dias, mais de 600 refeições, sendo elas almoço e jantar, segundo informações da assessoria de comunicação do movimento. Ao todo, 60 pessoas têm atuado no local, em parceria com o Coletivo Pão e Tinta, Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Comércio Informal do Recife (SINTRACI), Federação Única dos Petroleiros (FUP), Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado de Pernambuco (FETAPE), além das ONGs FASE e CEPAS.

Tal iniciativa ocorre em um momento crucial para a população brasileira, quando seis em cada 10 famílias enfrentam algum grau de insegurança alimentar, que é a falta de disponibilidade e/ou acesso aos alimentos. Segundo estudo Coordenado pelo Grupo de Pesquisa Food For Justice (Alimento para Justiça) – da Universidade Livre de Berlim, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade de Brasília (UnB) – 59,4% dos domicílios do país apresentaram algum grau de insegurança alimentar entre os meses de agosto e dezembro de 2020. Em dados mais gerais, este número corresponde a aproximadamente 125,9 milhões de pessoas. Dentro deste grupo, 44% reduziram significativamente o consumo de carne e 41% de frutas.

De acordo com Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), nos últimos meses de 2020, mais de 19 milhões de brasileiros e brasileiras já enfrentavam a fome.

Como indica o estudo do Food For Justice, entre as regiões brasileiras, é no Nordeste onde a situação é mais alarmante. Aqui, 73,1% dos domicílios registraram situação de insegurança alimentar. A região Norte aparece logo abaixo, com 67,7%, seguida pelo Centro-Oeste (54,6%), Sudeste (53,5%) e por fim, pelos estados do Sul (51,6%).

“A fome e a insegurança alimentar estão, cada vez mais, se tornando o drama de muitas famílias no Brasil, e com a pandemia ficou ainda pior”, diz Diego Liberalino, Secretário Adjunto de Comunicação do Sindipetro PEPB. “Nesse cenário a solidariedade tem sido cada vez mais necessária. A Cozinha Solidária de Santa Luzia, em Recife, assim como muitas iniciativas em todo país, tem garantido comida no prato daqueles que têm fome”.

“Além da solidariedade e do combate à fome”, continua o dirigente sindical, “o sindicato aproveita essas iniciativas para denunciar o abuso nos preços dos combustíveis, principalmente do gás de cozinha; é possível ter combustível a preço justo”, conclui.

De fato, os aumentos no valor do gás liquefeito de petróleo (GLP) em muito contribuíram para o crescimento da insegurança alimentar. Desde 2020, o produto sofreu 16 aumentos sob a gestão de Roberto Castello Branco na Petrobrás, em decorrência da política de Paridade de Preços de Importação (PPI), que atrela os combustíveis e derivados brasileiros ao mercado internacional, deixando-os à mercê das variações cambiais e do barril de petróleo (que é avaliado em dólar).

Com a desvalorização do Real e a alta nos preços dos combustíveis, os alimentos que chegam às gôndolas dos supermercados acabam também sendo impactados, uma vez que a principal modal de transporte de mercadorias e produtos agrícolas no país se dá através da malha rodoviária. Assim, as variações nos preços do Diesel acabam impactando toda a cadeia logística nacional e quem mais sente esse impacto final é a população.

“Estamos à disposição para apoiar causas como essa”, diz Rogério Almeida, Coordenador Geral do Sindipetro, “que visam ajudar à população mais carente neste momento crítico que a gente vive”. A fim de contribuir com os trabalhos sociais desenvolvidos pela Cozinha Solidária do MTST, o sindicato irá fornecer 15 botijões de gás por mês, o que irá possibilitar o preparo dos alimentos de maneira segura no espaço.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.