Instituições públicas e privadas da educação e dos direitos humanos declaram apoio à greve nacional dos petroleiros

Segunda, 09 Novembro 2015 14:16

A greve dos petroleiros entrou hoje no 9º dia e prosseguirá forte por tempo indeterminado. Os movimentos sociais, estudantis, centrais sindicais e instituições educacionais e de direitos humanos continuam apoiando a mobilização da categoria, que faz uma greve  já considerada a mais emblemática dos últimos anos. 

Confira a moção de apoio à greve nacional dos trabalhadores e trabalhadoras do Sistema Petrobrás, que foi divulgada hoje pelas das instituições públicas e privadas de educação do país.

 

Moção de Apoio à Greve dos petroleiros/as

A Petrobras Não está à Venda

Nós, instituições e organizações públicas e privadas do setor da educação e dos direitos humanos manifestamos nosso total apoio à greve dos trabalhadores/as petroleiros/as, tendo em vista que eles/elas estão nas ruas lutando por um bem comum: o petróleo brasileiro.

Há anos a Petrobras vem sendo bombardeada pela mídia e pelo capital nacional e internacional que é contra o modelo de partilha, criado pelo novo marco regulatório de 2009, que mantém sob controle mais rigoroso o usufruto da riqueza natural pelo Brasil.

Neste cenário privatista e de desmonte das riquezas coletivas, todos/as estão convocados à luta em defesa da Petrobras, compreendendo-a como uma empresa estratégica e com grande significado econômico e político para o desenvolvimento do país.

Desde 2006, com a descoberta do pré-sal, iniciou-se uma intensa mobilização  liderada pelos movimentos sociais, que culminou na garantia de que parte dos recursos arrecadados fossem destinados à investimentos na educação e na saúde da população brasileira.  Agora, querem roubar  essa conquista.

Em setembro de 2015, diversas entidades que defendem o direito à educação foram ouvidas na ONU, por meio do Comitê sobre os Direitos da Criança, que recomendou ao Estado brasileiro, que se cumpra o Plano Nacional de Educação. Para tanto, lembrou o referido Comitê, é “preciso aumentar os fundos para o setor da educação”. Os recursos do pré-sal são respostas para isso.

Assim, como mais uma estratégia de luta pela nossa soberania e por uma sociedade justa com uma educação de qualidade, socialmente referenciada, somamo-nos aos trabalhadores/as da Petrobras, afirmando a greve como direito fundamental frente à opressão, à desigualdade social, à usurpação do bem comum.

“Somos todos petroleiros/as” porque todos/as defendemos o controle público sobre nossos recursos naturais.

Toda nossa solidariedade e todo nosso apoio à luta dos/as petroleiros/as

São Paulo, 04 de novembro de 2015. Subscrevem as seguintes entidades:

Instituto Paulo Freire (IPF)

Campanha Nacional pelo Direito à Educação

Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH)

Mandato da Vereadora Mazé Favarão de Osasco

Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos

Centro de Direitos Humanos de Sapopemba

Ação Educativa 

Publicado em GREVE 2015

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.