Greve dos Petroleiros também enfrenta guerra da informação

Domingo, 08 Novembro 2015 21:37

 

Em greve desde o dia 01 de novembro de 2015, os petroleiros de todo o Brasil conquistam a cada dia cada vez mais adesões à paralisação. Com o objetivo de estabelecer uma pauta clara pelo Brasil e que impeça o plano de redução de investimentos da empresa, o movimento também tem outro desafio: a guerra de informações.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) emitiu uma nota onde crítica a Petrobrás por passar informações equivocadas para a grande mídia, bem como para os próprios trabalhadores da empresa. A alegação da estatal é de que a greve tem impacto financeiro na arrecadação de tributos para a União, estados e municípios. Todavia, em momento algum menciona que o plano de “desinvestimentos” prevê cortes de mais de R$ 500 bilhões, além da venda de ativos superiores a R$ 200 bilhões.

“O fato de a Petrobrás anunciar desinvestimento, diminuir seu ritmo de investimentos no País, não concluir obras como a Refinaria Abreu e Lima em Pernambuco, o Complexo do Comperj no Rio de Janeiro e a Fábrica de Fertilizantes no Mato Grosso do Sul, que está 80% concluída, isso sim traz grande prejuízo à população, aos estados e aos municípios. Não gerar empregos necessários e não fazer essas unidades rodarem e não normalizarem a sua produção. O maior prejuízo está aí e esse é um dos pontos de pauta da greve”, explica o secretário nacional de comunicação da CUT, Roni Barbosa, que é petroleiro.

A categoria também queixa-se da forma como as notícias sobre a greve são veiculadas na grande mídia, além de uma onda crescente de boatos que se espalham pelas redes sociais, sobretudo pelo “Whatsapp”, dando conta de um possível desabastecimento de combustível. “É uma grande mentira. O abastecimento está garantido. São pessoas inescrupulosas que desejam ver o caos na sociedade e não é isso que os petroleiros querem, não é isso que o movimento quer, pelo contrário. Estamos bem atentos para não provocar desabastecimento no mercado e para que a greve seja vitoriosa”, completa o dirigente.

Luta pelo Brasil – No centro da greve dos Petroleiros está o plano de desinvestimentos da Petrobrás, anunciado pela empresa. A categoria está mobilizada para garantir que o todos os investimentos previstos continuem como forma de ser um fio indutor do desenvolvimento do Brasil e da categoria. “A Petrobrás é um patrimônio nosso, ela tem que ser usada para alavancar o nosso País, produzir riquezas que revertam em nosso benefício. Não podemos deixar a serviço do capital internacional que está muito interessado na Petrobrás. O fatiamento da empresa é o modelo adotado pelo sistema financeiro. Fizeram isso no setor elétrico e agora querem fazer no setor petróleo”, compara o dirigente da FUP e do SindiPetro PR/SC, Silvaney Bernardi.

A avaliação também é compartilhada por outro dirigente da FUP, Gerson Castellano. De acordo com ele, o fato da greve ter como ponto central pautas pelo Brasil é algo inédito e que ainda não foi bem assimilado pela população. “É imprescindível discutir a pauta pelo Brasil. Nós estamos fazendo uma greve histórica, única, onde uma categoria toda não está discutindo cláusulas econômicas, cláusulas sociais. Nós estamos discutindo o projeto que queremos para Petrobrás, que ela continue sendo indutora do desenvolvimento nacional. Uma Petrobrás que represente os anseios da população e não apenas para a Bolsa de Valores. Uma empresa que responda para aquilo que ela foi criada, atender o Estado e a população. A condição principal (para encerrar a greve) é que a empresa nos chame para discutir a pauta pelo Brasil, isso é a condição que não abrimos mão”, garantiu Castellano, é que dirigente do SindiQuímica-PR.

Ataque à classe trabalhadora – A presidenta da CUT Paraná, Regina Cruz, que tem acompanhado o movimento grevista na Petrobrás reforça o cenário de crise para a classe trabalhadora. “Estamos sob ataque. A ausência de investimentos da Petrobrás trará reflexos para todo o conjunto da classe trabalhadora. Esta não é a primeira e também não será a última tentativa de nos enfraquecer enquanto classe e também enquanto nação. Basta lembrar de tantas outras ameaças, como por exemplo, o Projeto de Lei das terceirizações que tramita no Congresso Nacional e coloca toda a nossa história de luta em risco”, avalia.

Aliança – Por tratar-se de uma pauta que não é restrita à categoria, uma série de alianças foram estabelecidas para fortalecer a paralisação. O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) encampou a pauta pelo Brasil e participa da mobilização em frente à Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária.

O coordenador estadual do MST no Paraná, Roberto Baggio, reforça que está não é uma luta de uma categoria, mas sim de todo o povo brasileiro. Segundo o dirigente, no centro desta batalha está o controle de recursos naturais e também do setor energético. “O povo brasileiro, com os petroleiros e os químicos e essa grande aliança com os camponeses vão fazer frente a essa batalha. Se eles lograrem privatizar a Petrobrás e o conjunto de recursos naturais nós seremos uma nação dependente e sem perspectiva de futuro. Se o povo brasileiro junto com os petroleiros garantir que a Petrobrás seja pública, nacional e que o conjunto de recursos naturais preservando o regime de partilha, garantido o fundo soberano, seremos uma nação com futuro, desenvolvimento e mais justiça social.

Para Baggio, o regime de partilha e as reservas do pré-sal também estão no centro da crise política que o País atravessa. “O capital transnacional, associado com a nossa burguesia - dependente e mercenária - está criando clima de desestabilização na política para se apropriar do conjunto das riquezas naturais. Na essência é a disputa de um modelo econômico”, analisa.

Fontes sobre a greve – Para obter notícias precisas com informações relacionadas a greve, a indicação é que a população busque fontes dos sindicatos e da própria FUP. Lá é possível encontrar informes atualizados sobre o andamento da paralisação.

Fonte: CUT Paraná

Mídia

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.

Instagram