Em entrevista à TV 247, o coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, avalia que Jair Bolsonaro é refém das forças que patrocinaram o golpe de 2016 e mudaram a política de preços da Petrobrás

[Da redação do Brasil 247 |Foto: Pedro Henrique Caldas]

O coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP) participou do programa Bom Dia 247 e afirmou que não acredita na demissão do presidente da Petrobrás por Jair Bolsonaro. Em live nesta quinta-feira (18), Bolsonaro sinalizou  uma possível demissão de Roberto Castello Branco após a recorrentes altas do preço da gasolina e Diesel. Segundo o sindicalista, tal demissão não será concretizada.

“Se Bolsonaro alterar a política da Petrobras, ele irá mexer com aqueles que apoiaram o golpe de 2016 e ajudaram a financiar sua campanha em 2018. Bom seria, mas acho muito difícil que ele altere a atual política da Petrobras e demita o presidente da estatal”, avaliou Bacelar. 

Ele completa sua análise dizendo que Bolsonaro "iria bater de frente com os acionistas internacionais que estão arrematando a preço de banana uma série de ativos, não somente na Petrobras mas, de uma série de outras empresas estatais”. 

O petroleiro explicou também que “o governo é o acionista majoritário da Petrobras e não deveria permitir que a empresa atenda apenas a acionistas minoritários  internacionais”. 

Assista a integra da entrevista: 

Saiba mais 

Em 2016, Michel Temer chegou ao poder após o golpe de estado e uma de suas primeiras ações foi mudar a política de preços da Petrobras para um conceito conhecido como “paridade de importação”, que calcula quanto custaria a venda, no mercado brasileiro, de combustível comprado nos Estados Unidos.  

A ação de Temer foi fundamental para agradar o mercado financeiro e promover a alta do preço dos combustíveis, além do gás de cozinha, sacrificando ainda mais a renda do brasileiro. 

Desde janeiro de 2021, o preço da gasolina vendida pela Petrobras acumula alta de 34,7%. O diesel subiu 27,7% no mesmo período. Nas bombas, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), os repasses elevaram o preço da gasolina em 6,8% e o do diesel, em 4,6%. 


Leia também:

Combustíveis vão continuar disparando, enquanto o PPI for a base da política de reajuste dos derivados, alerta INEEP

Bolsonaro acentua alta dos combustíveis iniciada por Temer. Reajustes ficaram até oito vezes acima da inflação

Pressionada, Petrobrás altera periodicidade do reajuste dos combustíveis, mas mantém paridade internacional


 

Publicado em Sistema Petrobrás

Os petroleiros das bases da FUP amanheceram mobilizados em todas as refinarias, em um dia nacional de luta contra as privatizações no Sistema Petrobrás e em defesa dos empregos e direitos que estão sob forte ataque da gestão da empresa. As mobilizações ocorreram simultaneamente ao ato nacional na Rlam, que marcou o início da greve por tempo indeterminado dos trabalhadores da Petrobrás na Bahia. Uma comitiva com dirigentes sindicais petroleiros de outros estados também esteve presente ao ato na Rlam. 


Leia também: Petroleiros da Bahia iniciam greve com apoio de trabalhadores de todo o Brasil


Do Amazonas ao Rio Grande do Sul, os sindicatos da FUP realizaram atrasos e protestos em frente às refinarias e em outras áreas operacionais, como a Unidade de Tratamento de Gás de Cacimba, no Espírito Santo. Os atos contaram com a participação de trabalhadores próprios e terceirizados de nove estados do país, além da Bahia. Houve atrasos na Reman (AM), na Lubnor (CE), na Abreu e Lima (PE), na Reduc (RJ),na Regap (MG), na Replan e na Recap (em SP), na Repar e na Six (no PR) e na Refap (RS), além da UTGC (ES) e da Rlam (BA), cujos trabalhadores entraram em greve. Veja as fotos abaixo.

Nesta sexta-feira, 19, o Sindipetro-RN também realiza uma mobilização em apoio à greve dos trabalhadores da Bahia, com um ato no Polo de Guamaré.

Todo o Sistema Petrobrás está sob ataque, com várias unidades já privatizadas e diversas outras com a venda anunciada, como é o caso de metade do parque de refino da empresa. Neste momento, além da Rlam, mais cinco refinarias estão em processo acelerado de privatização: a Fábrica de Lubrificantes do Nordeste (Lubnor), no Ceará; a Usina de Xisto (SIX), no Paraná; a Refinaria Alberto Pasqualine (Refap), no Rio Grande do Sul; a Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Minas Gerais, e a Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco.

Venda das refinarias vai gerar monopólios regionais privados

Um estudo da PUC Rio, que analisou os efeitos da privatização de seis das oito refinarias colocadas à venda pela direção da Petrobras, apontou que a venda das unidades, ao contrário do que a empresa e o mercado defendem, não aumentará a competitividade e sim a concentração do setor. Segundo o estudo, das refinarias que estão à venda, as que têm maior potencial para formação de monopólios regionais são a Rlam, a Reman, a Refap e a Regap. 

Durante os atos de hoje, a FUP e seus sindicatos tornaram a alertar a sociedade para o fato de que a privatização das refinarias vai aumentar as demissões em massa, os riscos de acidentes e de impactos para o meio ambiente, a perda de soberania e fazer disparar os preços já elevados dos derivados de petróleo. Só nos dois primeiros meses de 2021, a diretoria da Petrobrás já aumentou em 34,7% o preço da gasolina nas refinarias, com o novo reajuste anunciado nesta quinta-feira. O diesel também sofreu novo aumento e já custa 27,7% a mais desde o início do ano.

“Estamos denunciando os impactos negativos para a população das privatizações de refinarias, terminais e sistemas logísticos que a atual gestão da Petrobrás está promovendo. A venda da RLAM e de outras refinarias pode criar monopólios regionais, e isso vai aumentar ainda mais os preços dos combustíveis. A política de preços da atual gestão da Petrobrás, que já reajustou gasolina e diesel em torno de 30% somente este ano, é nefasta, mas os preços subirão ainda mais com a venda dessas refinarias, já que os investidores que adquirirem esses ativos vão poder cobrar o preço que bem entenderem. Sem falar no risco de desabastecimento, se o dono da refinaria optar por exportar combustíveis em vez de vender no mercado brasileiro”, explicou o coordenador da FUP, Deyvid Bacelar.

No ato com petroleiros e movimentos sociais de Minas Gerais, realizado pela manhã na Regap, o coordenador do Sindipetro-MG, Alexandre Finamori, também ressaltou a relação direta entre a política de preços da Petrobrás e a privatização das refinarias. Veja a publicação no Twitter da FUP: 

A representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás, Rosângela Buzanelli, também se manifestou estasemana sobre os aumentos seguidos nos preços dos combustíveis. "Estamos falando aqui dos preços dos combustíveis revendidos pelas refinarias da Petrobrás. Obviamente que esses valores vão chegar bem mais altos para o consumidor final na bomba do posto de abastecimento", alertou. "O reajuste vai gerar aumento de quase tudo, porque o custo do combustível tem influência direta na inflação, em especial nos alimentos e nas bebidas, e afeta, principalmente, o setor de transportes", acrescentou. "A Petrobrás pratica hoje o preço de uma empresa privada, quando poderia (e deveria) praticar um preço mais justo, exercendo sua função de empresa estatal, que atenda aos interesses da população brasileira", afirmou a conselheira.

[Imprensa da FUP]

eb68032d-cd87-45e1-ae7a-39622eb7dddf
ca760b3d-f031-41cf-9d79-d1049ebe8587
96640a3d-a4a9-4efc-a71f-88d2929e6d23
23196feb-e750-4c04-a360-e77ee9ce9cae
97c82266-5f2b-45bf-8aaf-088681b97036
63c8b4ba-897e-4955-88b9-d1bdd1729415
8fbcc33e-7d4b-4fed-aae5-de3b9a32b7c3
6d804516-4b2a-4836-86d4-d972ae4d45b3
6d7bf186-314a-4a0a-937c-278c6b5fed65
3a6b2061-95a8-4d48-8b4a-edd3cb58d5f7
2dfa3d44-76cd-4ba6-9009-10c83ef03dbb
e276843a-1ed3-43d5-89d7-3517088ce274
98c43b0f-7320-43a3-afbd-b448270ff486
76ad0086-1860-4a52-8183-0c3cacf5635e
7e141035-9ff1-444a-af11-c53efc6bbda8
ea3d59db-770e-4142-8bda-2a5391d8a62f
ba92e199-244f-4b7d-ab4a-f93eecc2bf39
b760ecb7-a9c6-435f-b2f9-af5c2d0c6de9
aab0528b-3a9d-4ba2-85d1-083e7ee79b86
2377f93f-9966-40a9-ad57-61834bf7fb6e
eb4fef3c-99dc-489b-9485-3b755651787d
89dd0f11-1d0d-4246-9c74-8e69be6d6c5f
9e499658-83a0-4f57-9b94-f233da6e0896
9d79d4ff-d908-40b5-8759-aa7e454b7ed8
7fe459a4-3fce-4243-afa7-d702d85fe787
733dbf00-3824-45d5-b7ca-b7d06eb83402
c5621c54-f4e1-484a-8ae9-d604c62fbbda
REPLAN2
REPLAN
recap
capuava
1faf7910-978b-4b73-a661-63a9a14c1e2a
WhatsApp-Image-2021-02-18-at-091411---Copia
WhatsApp-Image-2021-02-18-at-081053---Copia
REPAR2---Copia
REPAR---Copia
e2f6015a-4730-4375-b09b-da82028a4e0b---Copia
bfbb1308-f068-400e-8a63-e1dd9eab2654---Copia
538fc9eb-48a9-4869-8ccf-8a83c365dc97---Copia
007b4fff-6c72-4537-ac7b-c5f29e053a42---Copia
de34142c-62b0-4971-b7c5-b39c4aa56e76
a2d5504f-f415-40dd-a4d4-7c78fd66f7bc
604169b1-0269-4d83-afe1-62e8573362d4
1939d2d8-b144-4457-ae3c-a6c8a2b1afc8
779e87a5-6230-4f1f-a28c-8683ac4485da
632c5ff2-fb33-42fd-a4c0-9e1b99e1b03e
374a2752-f503-48ff-808e-9ff43826aab6
085a01d6-1405-4f15-89a6-1e0d4f813109
83a4e9e9-83bc-401d-a09b-141156dff949
23ad0b92-2611-4dfe-ae4a-13db5a7a854a
8fb9e122-0272-4255-a706-f0abdf845740
2c227b74-72e6-43f1-b38d-6d7676f089b0
e87e55ee-225c-4cb1-bdc3-152903972468
dd633aa5-06ac-4f61-bab1-3b859cf6eb92
a9e6c5d2-6030-498f-a292-27d6f72012a1
0a38e5c8-3085-4b1e-9218-0dba23610fae
LUBNOR
e503f87d-072f-4ca7-9bf2-2339bd0e4709
d08b5317-907c-4463-b148-1af2d2133102
b2b9d095-436a-4d4f-9bac-e8283abbbd2f
a9c18529-d611-4bb3-9441-173836af1181
9e009810-c16f-474d-af75-d83222712225
3dd1719f-bb1d-43df-a4ac-bf7320f32a5d
b4eecacc-9e03-4ca8-9057-d505dbcbce82
52f77609-6b62-42b6-9d2b-1f5f2cb249e6
9b5ced61-37dd-413a-bcfd-7e46fae1825c
9a640928-50c9-40da-a951-d6cbb64139a5
e7aa9724-29c5-4266-bb0e-6271608cb70d
de452814-d9ba-4995-a6b4-a67543fb52e5
db436085-e85f-4ae8-8811-dd7cf6d47239
a755d3d8-a5c6-4030-a51b-7383dbadbb72
415dc206-a0e8-4ee2-97fd-472dbbb8b736
57f8dc27-0f4d-468d-8735-84b6dd649c87
7b704fbc-7b98-4ef6-881e-f7332281ac6d
eb68032d-cd87-45e1-ae7a-39622eb7dddf ca760b3d-f031-41cf-9d79-d1049ebe8587 96640a3d-a4a9-4efc-a71f-88d2929e6d23 23196feb-e750-4c04-a360-e77ee9ce9cae 97c82266-5f2b-45bf-8aaf-088681b97036 63c8b4ba-897e-4955-88b9-d1bdd1729415 8fbcc33e-7d4b-4fed-aae5-de3b9a32b7c3 6d804516-4b2a-4836-86d4-d972ae4d45b3 6d7bf186-314a-4a0a-937c-278c6b5fed65 3a6b2061-95a8-4d48-8b4a-edd3cb58d5f7 2dfa3d44-76cd-4ba6-9009-10c83ef03dbb e276843a-1ed3-43d5-89d7-3517088ce274 98c43b0f-7320-43a3-afbd-b448270ff486 76ad0086-1860-4a52-8183-0c3cacf5635e 7e141035-9ff1-444a-af11-c53efc6bbda8 ea3d59db-770e-4142-8bda-2a5391d8a62f ba92e199-244f-4b7d-ab4a-f93eecc2bf39 b760ecb7-a9c6-435f-b2f9-af5c2d0c6de9 aab0528b-3a9d-4ba2-85d1-083e7ee79b86 2377f93f-9966-40a9-ad57-61834bf7fb6e eb4fef3c-99dc-489b-9485-3b755651787d 89dd0f11-1d0d-4246-9c74-8e69be6d6c5f 9e499658-83a0-4f57-9b94-f233da6e0896 9d79d4ff-d908-40b5-8759-aa7e454b7ed8 7fe459a4-3fce-4243-afa7-d702d85fe787 733dbf00-3824-45d5-b7ca-b7d06eb83402 c5621c54-f4e1-484a-8ae9-d604c62fbbda REPLAN2 REPLAN recap capuava 1faf7910-978b-4b73-a661-63a9a14c1e2a WhatsApp-Image-2021-02-18-at-091411---Copia WhatsApp-Image-2021-02-18-at-081053---Copia REPAR2---Copia REPAR---Copia e2f6015a-4730-4375-b09b-da82028a4e0b---Copia bfbb1308-f068-400e-8a63-e1dd9eab2654---Copia 538fc9eb-48a9-4869-8ccf-8a83c365dc97---Copia 007b4fff-6c72-4537-ac7b-c5f29e053a42---Copia de34142c-62b0-4971-b7c5-b39c4aa56e76 a2d5504f-f415-40dd-a4d4-7c78fd66f7bc 604169b1-0269-4d83-afe1-62e8573362d4 1939d2d8-b144-4457-ae3c-a6c8a2b1afc8 779e87a5-6230-4f1f-a28c-8683ac4485da 632c5ff2-fb33-42fd-a4c0-9e1b99e1b03e 374a2752-f503-48ff-808e-9ff43826aab6 085a01d6-1405-4f15-89a6-1e0d4f813109 83a4e9e9-83bc-401d-a09b-141156dff949 23ad0b92-2611-4dfe-ae4a-13db5a7a854a 8fb9e122-0272-4255-a706-f0abdf845740 2c227b74-72e6-43f1-b38d-6d7676f089b0 e87e55ee-225c-4cb1-bdc3-152903972468 dd633aa5-06ac-4f61-bab1-3b859cf6eb92 a9e6c5d2-6030-498f-a292-27d6f72012a1 0a38e5c8-3085-4b1e-9218-0dba23610fae LUBNOR e503f87d-072f-4ca7-9bf2-2339bd0e4709 d08b5317-907c-4463-b148-1af2d2133102 b2b9d095-436a-4d4f-9bac-e8283abbbd2f a9c18529-d611-4bb3-9441-173836af1181 9e009810-c16f-474d-af75-d83222712225 3dd1719f-bb1d-43df-a4ac-bf7320f32a5d b4eecacc-9e03-4ca8-9057-d505dbcbce82 52f77609-6b62-42b6-9d2b-1f5f2cb249e6 9b5ced61-37dd-413a-bcfd-7e46fae1825c 9a640928-50c9-40da-a951-d6cbb64139a5 e7aa9724-29c5-4266-bb0e-6271608cb70d de452814-d9ba-4995-a6b4-a67543fb52e5 db436085-e85f-4ae8-8811-dd7cf6d47239 a755d3d8-a5c6-4030-a51b-7383dbadbb72 415dc206-a0e8-4ee2-97fd-472dbbb8b736 57f8dc27-0f4d-468d-8735-84b6dd649c87 7b704fbc-7b98-4ef6-881e-f7332281ac6d

 

Publicado em Sistema Petrobrás

Primeiro dia de greve dos petroleiros da Bahia foi marcado por ato nacional na Rlam e mobilizações pelo Brasil afora, nas principais unidades operacionais do Sistema Petrobrás, em dia nacional de luta convocado pela FUP

[Da imprensa do Sindipetro Bahia]

A greve dos petroleiros da Bahia começou às 5h30, dessa quinta (18), com uma boa adesão (aproximadamente mil trabalhadores). Não houve troca de turno na Refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada no município de São Francisco do Conde, no Recôncavo baiano. Os trabalhadores – próprios e terceirizados – permaneceram do lado de fora da unidade.

A Petrobrás manteve na refinaria operadores que já tinham terminado o seu turno de trabalho, o que segundo a assessoria jurídica do Sindipetro Bahia configura-se cárcere privado. A estatal também tentou interferir no legítimo exercício de greve da categoria, com pressão, atitudes antissindicais e o uso da polícia.

A luta da categoria é por direitos, empregos, soberania e contra a insegurança, a pressão e o assédio moral. Os petroleiros também reivindicam o cumprimento de cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho.


Leia também: Petroleiros de todo o Brasil se mobilizam contra privatizações e em apoio à greve na Bahia


O coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, explica que “além de garantir os empregos e os direitos dos trabalhadores próprios e terceirizados da Petrobrás que vão ser afetados com a venda da Rlam, nosso objetivo com a greve e com os atos que promovemos hoje em todo o país é denunciar os impactos negativos para a população das privatizações das refinarias, terminais e sistema logístico que a atual gestão da Petrobrás está promovendo. A venda da RLAM e de outras refinarias pode criar monopólios regionais privados, e isso vai aumentar ainda mais os preços dos combustíveis”.

Ato em defesa da Rlam mostrou união da classe trabalhadora

Por volta das 7h petroleiros de todo o Brasil, dirigentes das centrais sindicais, a exemplo da CUT, de movimentos sociais e de diversas categorias, além de parlamentares, se juntaram aos grevistas em um grande ato em defesa do Sistema Petrobrás e contra a venda da Rlam, que deve ser adquirida pelo fundo árabe Mubadala por U$ 1,65 bilhão, sem a sua devida valoração (cálculos realizados pelo Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) apontou que apontou que a refinaria valeria entre US$ 3 bilhões e US$ 4 bilhões).

Participaram do ato, o presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, o presidente da IndustriALL, Aroaldo Oliveira da Silva, a presidente da CUT-Bahia Maria Madalena Oliveira (Leninha) e representantes de outras centrais sindicais como a CSPConlutas. Toda a diretoria da FUP também esteve presente, assim como um representante da FNP.

Estavam presentes ainda representantes de confederações e federações de trabalhadores e trabalhadoras de empresas públicas e estatais e de movimentos sociais e da juventude, a exemplo do MST, MAB, MPA e Levante Popular da Juventude. Além de dirigentes de diversos sindicatos filaidos à CUT e outras centrais sindicais.

Também participaram da mobilização, que durou cinco horas e reuniu cerca de mil pessoas, dirigentes das Frentes Brasil Popular e do Povo sem Medo, além de parlamentares como o deputado estadual, Joseildo Ramos (PT-BA) e o deputado estadual Hilton Coelho (PSOL).

Os diretores dos Sindipetros de todo o Brasil denunciaram o desmonte do Sistema Petrobras, se colocaram contra a venda das refinarias da estatal e defenderam a soberania nacional. Os sindicatos da FUP também realizaram atos simultâneos em suas bases, em apoio à greve dos petroleiros da Bahia.

Para o presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, “é urgente que o movimento sindical se reúna para construir uma grande luta nacional em defesa do emprego e da vida. É uma vergonha que o país até agora só vacinou 5,5 milhões de brasileiros. O momento é grave e o caminho é esse, o caminho da luta que os petroleiros da Bahia estão apontando para a classe trabalhadora brasileira”.

Adilson Araújo, presidente nacional da CTB, ressaltou a importância da greve dos petroleiros e falou sobre o sucateamento da Petrobras. “O governo federal investe em uma política de desnacionalização da nossa economia e isso tem repercussão no processo de desindustrialização do país, mais ainda quando faz valer a sua agenda ultraliberal de entrega do patrimônio nacional”.

Já o metalúrgico Aroaldo Oliveira da Silva, presidente da IndustriALL Brasil falou sobre as consequências do desmonte da estatal para todo o país. “Quando a Petrobrás acabou com a sua política de conteúdo local no governo Temer a gente sentiu diretamente na nossa categoria, nos metalúrgicos, muitas empresas quebraram porque já não participavam mais desse sistema. Por isso a importância da Petrobrás e da luta para impedir esse desmonte que vem acontecendo e pode gerar milhões de desempregados pelo Brasil”.

O diretor de comunicação do Sindipetro, Radiovaldo Costa, acredita que “a greve dos petroleiros da Bahia e o ato que reuniu trabalhadores de todo o Brasil podem ser o pontapé para um grande e forte movimento nacional. O povo e a classe trabalhadora são a maioria nesse país. Temos de despertar para nossa força. A Petrobrás é nossa, esse país é dos brasileiros e não do “mercado” e nem das empresas multinacionais”.

Para o coordenador do Sindipetro Bahia, Jairo Batista, o ato em defesa da Rlam e da Petrobrás abriu a greve da categoria petroleira na Bahia, “mostrando a força da classe trabalhadora, que pode ditar outros rumos para o nosso país, para que voltemos aos trilhos na construção de uma nação justa, com igualdade social e respeito aos cidadãos e aos direitos trabalhistas”.

SERGIO-NBRE
policia
grevistas
JAIRO
DEYVID
edd7fd95-5b51-4dc5-90df-f78ba7b6d99a
0cdfdb18-d219-4af7-9285-8e90a2e10c2e
SANTIAGO3
SANTIAGO2
db08ff21-0880-4921-932a-2fccece78031
fd92c820-9c02-4767-adf0-ff4b279bc2a3
tadeu
fe3a2bfd-bd54-4fcd-b87d-b610954b3026
TEZEU
3bfbbc7e-f3d4-472c-a9ec-8ef7e615353f
a754541c-edbd-423b-9ccf-678cbe3058db
f5e949cf-e45c-4594-9667-4ebefa31f672
397280ef-009b-48b6-bb91-320a84f58e22
cdcb57d1-7c41-40a6-9d7c-5be08742b63f
c9d6f06e-6c45-4a48-b438-9c68521c6bc6
c6a531fe-21ce-43d5-b7c2-8774bc0af0c5
afacd444-0757-4a9f-bc90-bbd94bfcd873
aef2eab5-bc52-494a-a517-322358c6d7d9
a073ddbc-6bdb-4ada-9b3c-0f72f756b8d3
79684139-4171-494d-94d5-893cf2763158
dd455935-35a1-43ab-b680-457eba18ea89
49927360-f5be-4402-b819-a0869f517658
8041eaa4-f6de-48f4-bc49-3a956763cd29
7228bebe-7e40-4387-b69b-3eaebd514b0f
985bddf1-9c62-463f-90eb-932f4c5537dc
694f8b3e-5061-40ff-8424-7c4dfa996934
335a8279-0690-4b09-9ea7-8ddc28530c16
96cf157a-98aa-461c-bcd9-7b0d3e04da0a
79c63438-8a0e-4bf0-ad38-c668d54c1691
36b12a26-43f3-4217-a046-2d41d2040237
67e5ce1a-fdb7-4469-b6fd-f3c0be705078
9f07613a-bd6f-4fe6-b407-f4501e974657
7f3fc224-0de0-46da-9404-b679bc6a69fd
09ccfcf9-9fcb-429b-a3d0-c95ab790c3d6
04adf832-f485-4d6d-b1fa-900b7d467c00
2e1b3333-8e6c-4884-b4e0-9912b8d2502d
2d2cd6e8-15dc-424f-acc5-addd48e0f485
1cc0fe43-2313-4c5d-a77c-0596b142d444
0a4926d6-e7e6-46f5-a227-c7a04ac9560b
SERGIO-NBRE policia grevistas JAIRO DEYVID edd7fd95-5b51-4dc5-90df-f78ba7b6d99a 0cdfdb18-d219-4af7-9285-8e90a2e10c2e SANTIAGO3 SANTIAGO2 db08ff21-0880-4921-932a-2fccece78031 fd92c820-9c02-4767-adf0-ff4b279bc2a3 tadeu fe3a2bfd-bd54-4fcd-b87d-b610954b3026 TEZEU 3bfbbc7e-f3d4-472c-a9ec-8ef7e615353f a754541c-edbd-423b-9ccf-678cbe3058db f5e949cf-e45c-4594-9667-4ebefa31f672 397280ef-009b-48b6-bb91-320a84f58e22 cdcb57d1-7c41-40a6-9d7c-5be08742b63f c9d6f06e-6c45-4a48-b438-9c68521c6bc6 c6a531fe-21ce-43d5-b7c2-8774bc0af0c5 afacd444-0757-4a9f-bc90-bbd94bfcd873 aef2eab5-bc52-494a-a517-322358c6d7d9 a073ddbc-6bdb-4ada-9b3c-0f72f756b8d3 79684139-4171-494d-94d5-893cf2763158 dd455935-35a1-43ab-b680-457eba18ea89 49927360-f5be-4402-b819-a0869f517658 8041eaa4-f6de-48f4-bc49-3a956763cd29 7228bebe-7e40-4387-b69b-3eaebd514b0f 985bddf1-9c62-463f-90eb-932f4c5537dc 694f8b3e-5061-40ff-8424-7c4dfa996934 335a8279-0690-4b09-9ea7-8ddc28530c16 96cf157a-98aa-461c-bcd9-7b0d3e04da0a 79c63438-8a0e-4bf0-ad38-c668d54c1691 36b12a26-43f3-4217-a046-2d41d2040237 67e5ce1a-fdb7-4469-b6fd-f3c0be705078 9f07613a-bd6f-4fe6-b407-f4501e974657 7f3fc224-0de0-46da-9404-b679bc6a69fd 09ccfcf9-9fcb-429b-a3d0-c95ab790c3d6 04adf832-f485-4d6d-b1fa-900b7d467c00 2e1b3333-8e6c-4884-b4e0-9912b8d2502d 2d2cd6e8-15dc-424f-acc5-addd48e0f485 1cc0fe43-2313-4c5d-a77c-0596b142d444 0a4926d6-e7e6-46f5-a227-c7a04ac9560b

Publicado em Sistema Petrobrás

A Diretoria Colegiada da FUP e do SINDIPETRO-RN lamentam profundamente o falecimento do petroleiro Jailson Melo Morais, 55 anos, na manhã desta quarta, 17 de fevereiro, em Natal. Ele estava internado desde o início de fevereiro no Hospital São Lucas, lutando para superar infecções decorrentes da COVID-19.

Operador aposentado da Petrobrás no Alto do Rodrigues, Jailson foi reeleito diretor do SINDIPETRO-RN, assumindo a cadeira de suplente na Diretoria de Comunicação para o triênio 2021-2024. Na FUP, ele integrou o Conselho Fiscal da entidade e foi Coordenador do Projeto MOVA Brasil no Rio Grande do Norte, entre 2004 e 2016.

Para o Coordenador Geral do SINDIPETRO-RN, Ivis Corsino, a partida de Jailson é uma perda irreparável e que fará muita falta. “Jailson não é apenas ‘mais uma vítima da covid’. São mais de 30 anos de uma vida carimbada por tantas lutas juntos. Alegrias e sofrimentos. Conquistas e derrotas. Hoje vai com ele um pouco de cada um de nós. Que seus familiares, amigos, amigas, todos os companheiros e companheiras e enfim, todos nós, encontremos forças para continuar a jornada da vida. Que descanse em paz”, disse o Coordenador em nome da categoria petroleira potiguar.

Jailson deixa a esposa, Adelania Pereira Dantas, e três filhos: Anna Clara Soares Dantas, Pedro Henrique Soares Dantas e Vitor Luís Soares Morais.

O velório será realizado hoje (17/02), para um número pequeno de pessoas (entre 10 e 12), por volta das 16 horas, na capela do Centro de Velório Sempre(João Celso Filho, 1314, bairro São João). O sepultamento será amanhã (18) às 9 horas no Cemitério São Vicente de Paula, bairro Feliz Assú, sem número.

Aos amigos e parentes, externamos nossa solidariedade e votos de força para enfrentarmos esse momento de tristeza.

Jailson Melo Morais, presente! Hoje e sempre!

[Com informações do Sindipetro-RN]

Publicado em Movimentos Sociais

O governador da Bahia, Rui Costa, vai solicitar uma reunião com o presidente da Petrobrás, Castello Branco, para tratar sobre a situação da estatal na Bahia e sobre a venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) e as consequências para o estado e municípios situados no entorno da refinaria. Ele também levará esse assunto para discussão no Consórcio do Nordeste. E ainda e irá solicitar formalmente à estatal a cópia do contrato de venda da Rlam para o grupo árabe Mubadala.

Essas foram algumas das proposições feitas pelo governador em reunião que aconteceu na manhã de terça-feira (16) com dirigentes da FUP, do Sindipetro Bahia e parlamentares. Estavam presentes o coordenador da FUP, Deyvid Bacelar, o coordenador do Sindipetro Bahia, Jairo Batista, o diretor de comunicação do Sindipetro, Radiovaldo Costa, o deputado federal Joseildo Ramos (PT-BA) e o deputado estadual Rosemberg Pinto (PT). Além do Secretário da Casa Civil, Carlos Mello.

Os representantes da categoria petroleira explicaram ao governador o que está acontecendo hoje na Petrobrás, que vem acelerando a sua politica de desinvestimento, visando a saída da estatal da Bahia, dando ênfase à venda da Refinaria Landulpho Alves. Eles também fizeram um comunicado a respeito da greve que será deflagrada no dia 18/02. 

O governador se mostrou preocupado e lamentou que a Petrobrás não tenha procurado o governo da Bahia para falar sobre a venda da Rlam. Segundo Rui Costa há informações que são importantes e devem ser publicizadas, por isso, o governo está procurando a Petrobrás, assim como está marcando uma reunião com a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB-BA).

O governador também afirmou que irá procurar os órgãos ambientais em busca de informações sobre o passivo ambiental da Rlam.

Rui Costa questionou a venda das refinarias da Petrobrás do ponto de vista estratégico para a Bahia e para o Brasil. “A Petrobras como uma empresa de energia vai na contramão do que outras empresas do setor no mundo têm feito que é integrar a sua cadeia, se tornando cada vez mais verticalizadas, indo desde a exploração e produção até a comercialização e ampliando seus negócios para a petroquímica e energia renovável”.

Uma reunião do governador com o fundo árabe Mubadala já está marcada para o dia 21/02.

[Da imprensa do Sindipetro Bahia]

Publicado em Sistema Petrobrás

Gestão da Petrobrás tenta desqualificar o movimento, marcado para esta quinta (18/2), quando na verdade os trabalhadores vão parar por não terem nenhuma resposta da empresa sobre como será o processo de transição da venda da RLAM e com quem ficará os passivos trabalhistas, dentre outras questões legais.

[Nota da FUP e do Sindipetro Bahia à imprensa]

A greve dos petroleiros da Bahia, que será iniciada às 00h01 da próxima quinta-feira (18/2), é motivada por uma série de pendências trabalhistas não respondidas e não discutidas com a categoria petroleira no processo de venda da Refinaria Landulpho Alves (RLAM) para o Fundo Mubadala. Assim, ao contrário do que a gestão da Petrobrás tentou alegar em comunicado interno a seus trabalhadores, o movimento respeita toda a legislação brasileira relativa ao direito de greve, tanto pelas razões de sua realização como pelo cumprimento de todos os trâmites legais, reforçam os departamentos jurídicos do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-Bahia) e da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Na tarde dessa segunda-feira (15/2), representantes do Sindipetro-Bahia e da Gerência de Recursos Humanos da Petrobrás se reuniram para discutir a pauta de reivindicações que baseia o movimento paredista. O documento apresentado pelo sindicato à empresa, bem como as negociações que se iniciaram na reunião, deixam claro que o que está em questão não é a venda da RLAM em si, mas seus desdobramentos para trabalhadores próprios e terceirizados da Petrobrás, que não tiveram qualquer sinalização da empresa a esse respeito.

“São cerca de 900 trabalhadores próprios da Petrobrás e 1.700 terceirizados que não receberam da empresa qualquer atenção durante o processo de venda, não foram ouvidos, e agora não sabem como será seu futuro. A legislação diz que a empresa tem de negociar com o sindicato todas as questões que envolvam sua força de trabalho, mas a gestão da Petrobrás ignora isso e ainda tenta politizar uma greve que é legítima e justa pelos direitos dos trabalhadores”, explica o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar.

Entre os pontos da pauta reivindicatória apresentada pelo Sindipetro-Bahia à Petrobrás estão as seguintes questões:

(i)        Com a venda da RLAM, como ficam o cronograma de transição da operação da unidade pela Petrobrás, os prazos de transferências de trabalhadores, seus critérios e prioridades;

(ii)       Quais regras a companhia vai utilizar para indenizar as transferências e sua caracterização, em todos os casos, como de interesse da empresa;

(iii)      Pelo fim das dobras de turno (os trabalhadores de turno já trabalham em turno de 12 horas diárias) e o fim das prorrogações de jornada, que só aumentam com a redução de trabalhadores por transferências e Programas de Demissão Voluntária (PDV);

(iv)      Tratar do efetivo mínimo nos diversos setores da empresa, em especial da RLAM, pois a empresa já trabalha com efetivo menor que o apresentado à Justiça em ação judicial em trâmite, o que tem exigido constante extrapolação da jornada;

(v)       Firmar o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico da jornada de 12 horas diárias, já praticada desde 2020 e aprovada pela categoria em assembleia, mas sem ACT assinado. Além disso, a categoria reivindica o fim da exigência de quitação do passivo trabalhista anterior a fevereiro/2020 para firmar esse documento;

(vi)      Tratar de política efetiva de combate ao assédio moral nas unidades da Petrobrás;

(vii)     Apresentação, pela Petrobrás, do passivo ambiental, dos acidentes de trabalho, enfim, tudo que envolva agentes de riscos aos trabalhadores, seus compromissos de pagamentos e de seus sucessores;

(viii)    Tratar a situação das empresas contratadas, em especial dos contratos de trabalhos e direitos dos empregados terceirizados.

Por fim, o Sindipetro-Bahia e a FUP reforçam no documento que a deflagração da greve se dá pela manutenção dos empregos, próprios ou terceirizados; pela realização de tratativas verdadeiras com trabalhadores para discutir as contratações; pelo futuro dos atuais contratos de trabalho; pelo fim dos assédios aos trabalhadores; e pela garantia de salubridade no ambiente de trabalho.  


Leia também:

Por empregos e direitos, petroleiros da Bahia entram em greve no primeiro minuto desta quinta

RLAM está sendo vendida pela metade do preço. Privatização cria monopólio regional


 

Publicado em Sistema Petrobrás

Audiência pública da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobrás contou com a participação do diretor da FUP, Mário Dal Zot, que denunciou a gestão da Petrobrás por colocar à venda ativos estratégicos, como refinarias e campos de petróleo, “a preço de final de feira”, abrindo mão de lucros líquidos e certos enquanto aumenta absurdamente o valor dos combustíveis. O debate, realizado por videoconferência, foi transmitido ao vivo pelo Facebook da FUP

[Da Agência PT]

Parlamentares, especialistas e representantes dos trabalhadores da Petrobras culparam a política de preços da Petrobras, atrelada ao valor internacional do petróleo, como a grande responsável pelos consecutivos aumentos no preço dos combustíveis no País. O assunto foi debatido nesta sexta-feira (12) durante audiência pública convocada pela Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobras, presidida pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN), e que também contou com a participação dos deputados petistas Bohn Gass (RS) e Carlos Zarattini (SP). 

Durante a reunião, o coordenador-técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) e pesquisador da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Rodrigo Leão, explicou que é falsa a ideia disseminada pelo presidente Jair Bolsonaro de que o valor do ICMS cobrado pelos estados é o culpado pelo aumento dos combustíveis.

Segundo ele, a escalada de aumento nos preços dos combustíveis está totalmente ligada a mudança ocorrida desde 2016, quando no governo Temer, a Petrobras – comandada por Pedro Parente – decidiu adotar a Política de Preço de Paridade Importação (PPI), atrelando o valor dos produtos a variação no mercado internacional.

“Depois que o Brasil adotou o PPI, os preços passaram a oscilar de acordo com preços internacionais, com variações diárias. É como se a gente não tivesse petróleo e não tivéssemos capacidade de refino e precisássemos importar tudo. No final quem paga essa variação de preço é o consumidor, na ponta”, explicou.

Segundo o especialista, a onda atual de aumento dos combustíveis começou em maio do ano passado, com a conjunção do aumento do valor do petróleo no mercado internacional, aliado a desvalorização do real frente ao dólar. Ele explicou ainda que essa política de paridade de preços dos combustíveis adotada pela Petrobras não encontra paralelo entre países que já são autossuficientes ou mesmo entre exportadores de petróleo.

“A Dinamarca, por exemplo, é autossuficiente em petróleo assim como o Brasil, e os Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, exportadores, adotam uma política de preços diferenciada do Brasil”, citou. A Dinamarca tem uma política própria para manter os preços sobre controle, e os Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, mantem seus preços desde o último ano congelados. “Já a Austrália, que importa petróleo, adota um PPI em relação a Singapura, que é comprador. Ou seja, adota o PPI apenas países que importam petróleo”, esclareceu.

Já o professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fespsp) e coordenador técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, William Nozaki, ressaltou que além da política de preços atrelada ao mercado internacional, a redução da capacidade de refino da Petrobras e a importação de derivados também estimulam o aumento constante nos valores dos combustíveis.

Ele destacou que atualmente na Agência Nacional de Petróleo (ANP) existem mais de 300 importadoras cadastradas, a maioria delas a partir de 2016, e muitas ligadas a petrolíferas estrangeiras. “O que está ocorrendo no Brasil agora é uma política de substituição de importações ao contrário, com o Brasil deixando de produzir derivados a partir do refino para comprar lá fora, beneficiando produtores internacionais e importadores”, denunciou. Isso também, segundo William Nozaki, traz impactos aos consumidores, que adquirem combustíveis e derivados que acompanham o preço do mercado internacional de petróleo. 

Críticas à política de preços da Petrobras

O senador Jean Paul Prates alertou que o aumento atual no valor dos combustíveis no Brasil, além do componente da política de preços adotada pela Petrobras, também poderá ser agravado no futuro com a privatização da estatal e sua substituição por um monopólio privado do petróleo no País.

“Esse monopólio privado seria incontrolável. O Brasil não tem nem mesmo legislação para regular isso. Hoje, as refinarias da Petrobras atuam em um sistema onde uma complementa a produção da outra, e o que se propõe é que elas possam competir entre si, o que não existe em lugar nenhum do mundo. O Brasil, que é autossuficiente em petróleo, não pode ficar dependente da variação de preço internacional do petróleo. Esse tipo de política beneficia apenas quem compra os ativos da Petrobras na bacia das almas, fundos de investimentos e traders internacionais que lucram na compra de ações da companhia”, acusou.

Na mesma linha, o deputado Bohn Gass destacou que é preciso mobilizar a população contra os aumentos constantes nos combustíveis. “Estamos aqui para levantar a voz, tirarmos a população dessa anestesia, como disse o Lula, que ocorre desde o golpe, e tentarmos impedir que o monopólio privado acabe com a soberania energética brasileira, que é o que faz com que os combustíveis e derivados se tornem inviáveis para a população, como no caso da gasolina, em média, a R$ 5, botijão de gás a quase R$ 100, e o diesel a R$ 3,50, na média. E tudo isso influencia no preço dos alimentos, uma vez que os combustíveis incidem em até 12% no custo de produção da agricultura”, lembrou.

Já o deputado Carlos Zarattini, líder da Minoria no Congresso, classificou a política de preços da Petrobras para os combustíveis como “criminosa”. “Essa política de preços da Petrobras revela um claro interesse de favorecer as multinacionais do petróleo, fundos de investimentos que investem no setor e que lucram às custas do povo. A nossa luta é denunciar tudo isso, dizer que essa política de preços da Petrobras é criminosa, que vai levar ao empobrecimento do País e do povo brasileiro, e que tenta levar a Petrobras a ser propriedade de interesse financeiros de grandes empresas estrangeiras”, denunciou.

Trabalhadores contra a política de preços dos combustíveis

Os representantes dos trabalhadores da Petrobras afirmaram que vão se mobilizar contra o desmonte da companhia e enfrentar a política de preços em relação aos combustíveis. O representante da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Eduardo Henrique, disse que além a sua entidade, a Federação Única dos Petroleiros(FUP) e a CUT precisam se unificar nessa luta.

“É preciso unificarmos a nossa luta para retirarmos essa política da Petrobras que visa criar monopólios privados no petróleo. Se hoje já temos dificuldade com os preços dos combustíveis, imagine quando todo o mercado estiver em mãos da iniciativa privada. Não dá para esperarmos 2022, temos que organizar essa luta agora”, defendeu.

Na mesma direção, o representante da FUP, Mário Dal Zot, acusou o governo Bolsonaro de tentar entregar seus ativos como refinarias e poços terrestres “a preço de final de feira”, abrindo mão de lucros líquidos e certos enquanto aumenta absurdamente o valor dos combustíveis.

“O somatório dessas perdas chega a R$ 6 bilhões por ano, em um cálculo subestimado, porque pode ser muito mais”, destacou. Além da mobilização em defesa da Petrobras, Mário também propôs a realização de investigações sobre porque a empresa abre mão desse lucro, além de uma campanha pelo fim da atual política de aumento do preço dos combustíveis.

 

 

Publicado em Petrobrás Fica

O vazamento na plataforma de Enchova, que foi vendida pela Petrobrás para a Trident Energy, é o segundo acidente do tipo envolvendo em menos de um mês, o que comprova as péssimas condições de operação e trabalho implantadas pela empresa. Em 17 de janeiro, houve vazamento também na plataforma P-65, no campo de Pampo, também adquirido pela Trident da Petrobrás.

[Comunicado da FUP à imprensa]

O vazamento de água oleosa da Plataforma Central de Enchova 1 (PCE-1), da Trident Energy, na Bacia de Campos, ocorrido nessa quinta (11/2), é mais um fato que confirma a precarização das operações, da segurança e das condições de trabalho, bem como o aumento substancial dos riscos para o meio ambiente, causados pela privatização de ativos de produção de petróleo e gás natural que a Petrobrás vem promovendo sistematicamente, não apenas na Bacia de Campos, mas em outras regiões do país.

Desde o início do chamado “processo de desinvestimentos” promovido pela atual gestão da Petrobrás, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos vêm denunciando que os novos proprietários desses ativos – grande parte deles sem qualquer experiência com as operações do setor de óleo e gás – promovem cortes drásticos de pessoal e de investimentos em segurança que colocam em risco as unidades, os trabalhadores e a população em geral.


Leia também:

ANP interdita quatro plataformas da Bacia de Campos que foram vendidas pela Petrobrás


“Muitos dos compradores desses ativos são investidores, sem nenhuma experiência operacional no setor, e que estão interessados apenas em obter retorno máximo de seus investimentos em curto espaço de tempo. Com isso, promovem cortes drásticos do que chamam de ‘custos’, quando, na verdade estão reduzindo investimentos essenciais para a operação. O vazamento na PCE-1 é o mais recente exemplo disso”, explica o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar.

O vazamento na PCE-1 é o segundo acidente do tipo envolvendo a Trident Energy em menos de um mês, o que comprova as péssimas condições de operação e trabalho implantadas pela empresa. Em 17 de janeiro, houve vazamento também na plataforma P-65, no campo de Pampo, também adquirido pela Trident da Petrobrás.

A operação precarizada da Trident Energy é tão grave que, em dezembro, a ANP interditou quatro plataformas da empresa – além da PCE-1 e da P-65, também a P-8 e a PPM-1 – por riscos operacionais e aos trabalhadores. Entretanto, a empresa reverteu a interdição poucos dias depois.


Leia também:

Sindipetro NF convoca trabalhadores à luta: "Estão vendendo tudo! O que você vai fazer?"


 

Publicado em Petrobrás Fica

Desde de janeiro deste ano, os petroleiros da ativa e, principalmente, os aposentados e pensionistas, foram surpreendidos com descontos abusivos da AMS.

A FUP e seus Sindicatos filiados, desde então, vem tentando entender o que estaria ocorrendo e buscando, de imediato, a suspensão desses descontos

Ja foram realizadas três reuniões com o RH da Petrobrás e uma reunião com a direção da Petros.

No programa da FUP das quintas, Seguridade e Cidadania, que vai ao ar ao vivo pelo canal do Youtube e pelo perfil do Facebook, nosso diretor de Seguridade, Aposentados e Políticas Sociais, Paulo César Martin, recebeu o também diretor da FUP, José Genivaldo Silva, membro da Comissão da AMS, para explicar o que está ocorrendo e o que vem sendo feito para resolver esse problema que tanto atormenta os aposentados e pensionistas. 

Silva, começou, no movimento sindical em 1978, no ABC Paulista, quando participou da criação da CUT e do PT. Ingressou na Petrobrás em dezembro de 1984, na RPBC (Cubatão/SP) como mecânico. Participou das greves dos petroleiros em 1994 e 1995, quando teve seu contrato de trabalho suspenso por 09 anos, sendo reintegrado no governo Lula em 2004, pela lei de anistia do senador Eduardo Dutra que viria a ser presidente Petrobrás no governo Lula. Foi presidente do sindicato dos Petroleiros do Litoral Paulista de 1991 a 1994 e Coordenador Nacional do Comando Nacional dos Petroleiros, entidade que antecedeu à FUP. Atualmente é integrante da Direção Nacional da FUP.

Assista, compartilhe, divulgue!

Youtube: https://youtu.be/6cVebmjcRq4

Facebook: https://www.facebook.com/fupetroleiros/posts/3827604180630581

 

Publicado em Sistema Petrobrás

A Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobrás realiza nesta sexta-feira, dia 12, uma audiência pública virtual para debater a os preços dos combustíveis no Brasil (veja as informações no final do texto). A audiência contará com a participação da FUP e de seus sindicatos, que vêm há quatro anos denunciando os impactos da política de preços dos derivados que as gestões neoliberais da Petrobrás impuseram ao povo brasileiro.

Desde 2016, a empresa pratica o Preço de Paridade de Importação (PPI), que varia conforme o sobe e desce do valor do barril de petróleo no mercado internacional e as oscilações do dólar e dos custos de importação, o que faz com que os reajustes sejam frequentes e abusivos. “É um absurdo essa política de preço dolarizada, baseada em preço de importação de combustíveis, praticada desde o governo de Michel Temer. Essa ação afeta duramente os consumidores, que já estão lutando pela sua sobrevivência com essa pandemia”, alerta a Frente Parlamentar. 

Para o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, a tentativa da gestão bolsonarista de suavizar os reajustes é uma resposta às mobilizações populares e dos movimentos sindical e sociais. “Um dos principais papéis da Petrobrás é garantir o abastecimento do mercado nacional a preços justos para a população brasileira. A gestão da empresa precisa entender que é possível manter os preços domésticos alinhados com os preços internacionais, mas sem penalizar o brasileiro e a brasileira com reajustes diários dos preços dos derivados de petróleo”, ressaltou o líder petroleiro, lembrando que “se o governo federal e atual gestão da Petrobras adotassem uma política de preços baseada nos custos nacionais de produção, mesmo com alguns ajustes para atender critérios internacionais, os derivados de petróleo seriam bem mais baratos sem precisar responsabilizar os tributos que têm a finalidade de atender as demandas sociais do povo com serviços públicos de qualidade”.  


Leia também: Pressionada, Petrobrás altera periodicidade do reajuste dos combustíveis, mas mantém paridade internacional


A Frente Parlamentar alerta que o Brasil lutou décadas pela autossuficiência na produção de petróleo, preservando a hegemonia e o papel estratégico da Petrobras e que “o governo Bolsonaro joga toda essa conquista fora”.  Os parlamentares ressaltam ainda que a privatização das refinarias criará monopólio privado regional e “o que já é ruim, pode piorar muito mais, com os preços totalmente nas mãos de entes privados”.

Gás já aumentou mais de 130%

Estudo da subseção Dieese da FUP aponta que, desde julho de 2017, os derivados de petróleo sofrerem centenas de reajustes nas refinarias, acumulando aumentos de mais de 130%, no caso do gás de cozinha, de 60%, como aconteceu com a gasolina, e mais de 43% no que diz respeito ao diesel (saiba mais aqui). Esta semana, a Petrobrás realizou mais um reajuste nos preços dos derivados. A gasolina ficou 8% mais cara nas refinarias, o diesel aumentou 6,2% e o gás de cozinha, 5,1%. “Por conta dessa política, estamos sofrendo com aumentos descontrolados dos derivados de petróleo, o que inviabiliza setores estratégicos da economia, além de afetar massivamente a população", alerta o coordenador da FUP. 

Em suas redes sociais, o coordenador da Frente Parlamentar, senador Jean Paul Prates (PT-RN), criticou o viés financista da imprensa na cobertura do tema. Exemplo disso é a reportagem do Jornal Nacional que foi ao ar na segunda-feira, 08, sobre o efeito que a política de preços tem nas ações da Petrobras. O JN entrevistou apenas analistas financeiros que veem a Petrobras como empresa privada e não como uma empresa pública, criada para garantir o abastecimento com soberania nacional.

“O povo e os empreendedores estão preocupados é com o país que por 50 anos correu atrás de ser autossuficiente para agora vender suas refinarias na bacia das almas e impor preço internacional em dólar à sua economia”, disse o senador. “O povo passou o dia preocupado com o preço que está pagando pela gasolina, diesel e botijão e o Jornal Nacional tenta nos convencer que ser autossuficiente com preços dolarizados e voláteis é algo positivo. Só se for para os importadores”, completou.

Saiba como participar da audiência:

Quando: sexta-feira, 12 de fevereiro

Horário: 09h

Onde assistir: nos perfis do Facebook da Frente em Defesa da Petrobrás https://www.facebook.com/frentepetrobras/ e da FUP https://www.facebook.com/fupetroleiros

[Imprensa da FUP, com informações da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobras]

Publicado em Sistema Petrobrás
Página 3 de 9

Image

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi criada em 1994, fruto da evolução histórica do movimento sindical petroleiro no Brasil, desde a criação da Petrobrás, em 1953. É uma entidade autônoma, independente do Estado, dos patrões e dos partidos políticos e com forte inserção em suas bases.