Todos os trabalhadores da base do sindicato no Paraná e Santa Catarina, ativos ou aposentados, têm o compromisso democrático com as assembleias. 

 

Elas acontecerão via plataforma virtual Zoom, com as seguintes pautas:  

 

1 – Debate e deliberação quanto ao indicativo da FUP e seus Sindicatos de aceitação da última contraproposta da empresa para ACT 2020/2022;

 

2 – Assuntos gerais.

 

 

Para participar será necessário fazer um cadastro prévio através do WhatsApp nos números: 41 9 8805-2367 (A/C de Liliane) / 41 9 9235 1435 (Simone) ou pelos e-mails: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.,  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

A mensagem deve conter as seguintes informações: nome, matrícula, unidade, setor, se é ADM ou Turno e qual grupo. 

Na impossibilidade de participar no seu grupo e horário, contatar um dirigente sindical para avaliar outra possibilidade de participação.  

Estabilidade do ACT para barrar o desmonte do Sistema Petrobrás 

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) ao lado dos representantes dos sindicatos filiados realizaram na última semana diversas reuniões e debates online com os trabalhadores. Após amplo diálogo, se decidiu por indicar a aceitação da última contraproposta apresentada pela atual gestão da Petrobrás.

 Para as entidades de defesa dos trabalhadores petroleiros, diante da atual conjuntura política e econômica do país, o melhor encaminhamento é o fechamento do ACT. O ponto decisivo é a manutenção por mais dois anos das conquistas históricas da categoria petroleira e garantia de emprego até 31 de agosto de 2022. Mais informações AQUI

 A participação da categoria nas assembleias virtuais é fundamental. São os trabalhadores, de forma soberana, que escolhem os rumos da negociação coletiva! 

Confira abaixo o calendário e o edital anexado:

[Via Sindipetro-PR/SC]

 

Publicado em SINDIPETRO-PR/SC

Devido às distorções nas informações que estão circulando na categoria sobre o que foi garantido no Acordo Coletivo (ACT) dos bancários em relação ao Plano Saúde Caixa, a FUP alerta e esclarece:

No novo Acordo Coletivo dos bancários, os trabalhadores ativos, aposentados e pensionistas da CEF estão praticamente dobrando as contribuições para o seu plano de saúde, o Saúde Caixa. Como o plano tem um superávit acumulado de R$ 500 milhões, a previsão é que a relação de custeio 70x30 ainda seja mantida nos próximos meses.

No entanto, a partir de janeiro de 2022, prazo estipulado pelas Resoluções CGPAR 22 e 23 para cumprimento das exigências do governo, as estatais com planos de saúde autogerido terão que se enquadrar a essas medidas, inclusive em relação ao teto de gastos de 8% sobre a folha de salários e benefícios das aposentadorias e pensões.

Hoje, o Plano Saúde Caixa já gasta 7% das folhas de salários e de benefícios (da CEF e da Funcef).  O novo Acordo de Trabalho pactuado prevê que o teto de gastos não ultrapasse o limite de 6,5%, a partir de janeiro de 2022. “Mesmo dobrando a contribuição para o plano, eles ainda serão obrigados a cumprir o teto”, explica o diretor de Seguridade da FUP, Paulo César Martin.

“O superávit acumulado no plano garantiu um fôlego à categoria, mas os beneficiários terão que cumprir o teto acordado com a Caixa. Se hoje, eles já gastam 7%, com o teto de 6,5% e consumindo o superávit, será muito difícil segurar o plano sem cortes em procedimentos e sem redução de benefícios, principalmente para os aposentados e pensionistas”, alerta Paulo César.

Como é hoje a relação de custeio no Plano Caixa?

> 2% de contribuição mensal (não considera faixa etária, nem faixa de renda).

> Além da mensalidade, o beneficiário tem 20% de coparticipação, com limite de R$ 2.400,00 anuais por núcleo familiar

Como ficará com o novo ACT? 

> 3,5% de contribuição mensal, sem faixa etária e sem faixa de renda e mais 0,4% por dependente limitado a 4,3% (dois ou mais dependentes).

> Além da mensalidade, o beneficiário tem 30% de coparticipação, limitado a R$ 3.600,00 anuais por núcleo família.

Se haverá esse aumento, como será mantida a relação 70 x 30?

> A relação 70 X 30 será mantida utilizando um superávit de RS 500 milhões acumulado no Plano.

>Sem esse superávit, na prática eles não manterão a relação 70 x 30.

Publicado em Trabalho

Entre os dias 19 de agosto e 1 de setembro, trabalhadores da Transpetro – subsidiária integral da Petrobrás responsável pelo transporte e logística de combustíveis – realizaram 24 assembleias com o objetivo de eleger uma nova tabela de turno para cada uma das unidades.

Petroleiros dos terminais de Barueri, Guararema, Guarulhos e São Caetano do Sul puderam votar em uma das nove opções de tabelas de turno de 8 horas e em uma das cinco opções de tabelas de turno de 12 horas. No final, ainda votaram pela preferência entre o turno de 8 ou 12 horas.

“Os trabalhadores tiveram direito a votar tanto nas tabelas de 8 como de 12 horas. Porque mesmo que o trabalhador prefira uma tabela de 8 horas, a maioria dos seus colegas de terminal podem escolher por uma tabela de 12 horas, por exemplo. Com isso, ele tem também tem o direito de escolher a tabela de 12 horas que mais lhe convém, mesmo o turno de 8 horas sendo a sua preferência”, explica Felipe Grubba, trabalhador da Transpetro e diretor do Sindicato Unificado dos Trabalhadores do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP).

No terminal de Barueri, os trabalhadores escolheram a tabela de 12 horas, que recebeu 10 votos contra 3 da tabela de 8 horas, além de 5 abstenções. Entretanto, houve um empate entre a Tabela 13 e a Tabela 14. Na quinta-feira (3), o sindicato realizará uma setorial online para chegar em um consenso sobre uma tabela.

Situação parecida ocorreu no terminal de São Caetano do Sul, mas dessa vez com empate entre aqueles que preferem as tabelas de 8 horas e os que optam pelas tabelas de 12 horas – 9 votos para cada. Do lado da jornada de 8 horas, venceu a Tabela 8. Já para a jornada de 12 horas, a Tabela 13 foi a que recebeu mais votos.

Já no terminal de Guararema, venceu a tabela de 8 horas, que recebeu 10 votos contra 6 da tabela de 12 horas. A Tabela 9 foi a escolhida, com 13 votos. Por fim, no terminal de Guarulhos, a tabela de 12 horas teve 5 votos contra 3 da tabela de 8 horas. A Tabela 10, com cinco votos, foi a escolhida.

[Via Sindipetro Unificado SP]

Nesta quinta-feira, 03, a live semanal da FUP teve novamente como tema a AMS e o Acordo Coletivo de Trabalho. O diretor da FUP, Paulo César Martin, conduziu o debate, que teve como convidados o assessor econômico do Dieese, Cloviomar Cararine, a assessora jurídica da FUP, Jessica Caliman, e o diretor da Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos (FENATECT), Emerson Marinho.

Eles explicaram todos os aspectos econômicos, jurídicos e políticos da última contraproposta de Acordo Coletivo da Petrobrás e suas subsidiárias. Também foi apresentado um simulador para orientar os trabalhadores e aposentados sobre como ficarão as suas contribuições com as novas tabelas da AMS.

 Assista a íntegra: 

Publicado em APOSENTADOS

A manutenção da AMS, do jeito que é hoje, de forma solidária e mutualista, com todo o regramento que mantém os direitos históricos da categoria, depende do Acordo Coletivo de Trabalho. Sem o ACT, a gestão do Sistema Petrobrás poderá impor as regras que quiser e do jeito que quiser. Sem o ACT, a relação de custeio da AMS não seria 60x40, como a atual proposta prevê para 2021, nem de 50x50, como a Resolução 23 da CGPAR impõe para 2022. O custeio da AMS poderá ser 100% do beneficiário, seja ele da ativa ou aposentado.

O alerta é do assessor jurídico da FUP, Normando Rodrigues. Ele explica que, apesar do artigo 468 da CLT e a Súmula 51 do Tribunal Superior do Trabalho determinarem a incorporação ao contrato individual, isso não garante a AMS como ela é hoje se não estiver regrada no Acordo Coletivo de Trabalho.

“Em primeiro lugar, isso separaria aposentados e empregados da ativa da Petrobrás, que hoje estão juntos e são grupos que contribuem solidariamente para a AMS”, afirma Normando. “O aposentado, que mais demanda da AMS, não teria mais a contribuição solidária do empregado da ativa, para manter o equilíbrio do custeio”, alerta o assessor da FUP, ressaltando que a contrarreforma da CLT permitiu que a gestão da empresa pratique acordos individuais de trabalho.

“A gestão da Petrobrás já anunciou que usará os acordos individuais. Resistir individualmente, sem o Acordo Coletivo, significaria o trabalhador renunciar à proteção coletiva”, explica, citando o exemplo recente do PCR, ao qual a maioria dos trabalhadores aderiu individualmente, apesar do indicativo contrário da FUP e dos sindicatos.

“A AMS é parte do Acordo Coletivo. Não pode ser analisada em separado. E o próprio ACT não pode ser analisado fora da conjuntura, como se o golpe de 2016 não existisse e como se não vivêssemos sob um governo fascista, que conta com o apoio de 40% da população”, alerta Normando Rodrigues.

Neste vídeo, ele explica detalhadamente o que está em jogo na AMS:

[FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

[Da imprensa do Sindipetro-PE/PB]

Na manhã desta terça-feira (1), as assembleias deliberativas para o novo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do Sistema Petrobrás foram encerradas no estado da Paraíba, onde a maioria dos trabalhadores e trabalhadoras aprovaram o indicativo da Federação Única dos Petroleiros (FUP), aceitando a última contraproposta apresentada pela empresa. Já em Pernambuco, as votações continuarão sendo realizadas até o dia 8 de setembro. Até o momento, o índice de aprovação da categoria, em ambos os estados, somam 87%.

As votações tiveram início na manhã da segunda-feira (31). Até o momento, sete das 17 assembleias gerais extraordinárias convocadas pelo Sindipetro já foram realizadas. Os encontros tem respeitado medidas de segurança, como: espaço mínimo de 1,5 m entre cada participante, uso de máscara obrigatório e higienização das mãos com álcool 70%.

Confira abaixo o calendário de assembleias:

1 de Setembro

  • Sede do Sindicato

    • ADM – 18h

2 de Setembro

  • Gasodutor BR 232

    • ADM – 7h

  • Refinaria Abreu e Lima

    • Grupo D – 19h

3 de Setembro

  • Terminal Aquaviário de Suape

    • Grupo B – 7h

  • Refinaria Abreu e Lima

    • ADM – 7h30

4 de Setembro

  • Refinaria Abreu e Lima

    • Grupo B – 7h

5 de Setembro

  • Terminal Aquaviário de Suape

    • Grupo A – 7h

  • Refinaria Abreu e Lima

    • Grupo A – 19h

7 de Setembro

  • Refinaria Abreu e Lima

    • Grupo E – 7h

8 de Setembro

  • Refinaria Abreu e Lima

    • Grupo C – 19h

Publicado em SINDIPETRO-PE/PB

A FUP realiza nesta terça-feira, 01/09, mais um Encontro com a categoria sobre a contraproposta de Acordo Coletivo de Trabalho apresentada pela gestão do Sistema Petrobrás, após negociação com as entidades sindicais.

Participam do programa os diretores da FUP, Cibele Vieira (Unificado-SP), Mário Dal Zot (Sindipetro-PR/SC), Fátima  Viana (Sindipetro-RN) e Tadeu Porto (Sindipetro-NF), além do assessor jurídico, Normando Rodrigues. 

A Live terá inicio às 18h30, com transmissão pelo canal FUP Brasil no YouTube e pelo perfil da FUP no facebook. 


> Youtube: https://youtu.be/-yhPfgDm20s

> Facebook: https://mla.bs/bad8eee8


Lives anteriores

Na última sexta-feira, 28, em outro Encontro com a categoria, a FUP esclareceu as principais dúvidas dos trabalhadores e aposentados do Sistema Petrobrás sobre a contraproposta negociada com as empresas do Sistema Petrobrás. Veja aqui a íntegra

No dia 26, antes de deliberar sobre o indicativo, a FUP explicou os principais pontos da contraproposta da gestão da empresa, ressaltando a importância de avanços na formalização de um Acordo Coletivo que preserva os direitos históricos dos petroleiros por dois anos, com uma cláusula que impede demissões sem justa causa até agosto de 2022.

No dia 27, os diretores da área de Seguridade da FUP, Paulo César Martin, e Marise Sansão, que também é diretora da Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos (COBAP), explicaram as mudanças na tabela do Grande Risco da AMS e a diferença entre a primeira e a última proposta arrancada na negociação. A live contou também com a participação do assessor econômico da FUP, Cloviomar Cararine, técnico do Dieese.

Após debates com a categoria e reuniões intensas de avaliação e ajustes na proposta apresentada pela gestão do Sistema Petrobrás, o Conselho Deliberativo da FUP indicou na noite de ontem a aceitação da contraproposta. 

Se você não participou desses debates ao vivo, assista para entender o posicionamento da direção da FUP e esclarecer as dúvidas que tenha sobre a proposta de Acordo Coletivo. As assembleias começam na segunda-feira, 31/08, e prosseguem até o dia 13 de setembro.  Todas as lives podem ser acesadas no canal FUP Brasil no Youtube e na página da federação no Facebook.

[Imprensa da FUP]

Publicado em Sistema Petrobrás

As assembleias para avaliação da última contraproposta de Acordo Coletivo apresentada pela gestão do Sistema Petrobrás começaram nesta segunda-feira (31/08) nos estados da Bahia, Pernambuco e Paraíba. Em todas as consultas realizadas pelos sindicatos, os trabalhadores aprovaram o indicativo da FUP de aceitação da proposta.

Na Bahia, a assembleia foi realizada em modo virtual com os trabalhadores da Petrobras Biocombustível, que aprovaram por unanimidade o indicativo da FUP.

Em Pernambuco, as duas primeiras assembleias foram no Terminal Aquaviário de Suape, com os grupos D e Adm, onde a contraproposta foi aprovada por 95% dos trabalhadores.

Na Paraíba, a consulta foi feita aos trabalhadores do administrativo da base de João Pessoa, que também disseram sim ao indicativo da FUP. 

As assembleias prosseguem até o 12 na Bahia e até o dia 08, nas bases do Sindipetro PE/PB. Os demais sindicatos da FUP estão ainda definindo o calendário de assembleias. 

Live da FUP nesta terça

A FUP realiza nesta terça-feira, 01/09, mais um Encontro com a categoria sobre a contraproposta de ACT apresentada pela gestão do Sistema Petrobrás, após intenso processo de negociação com as entidades sindicais. Participam do programa o coordenador da FUP, Deyvid Bacelar (Sindipetro-BA), os diretores Cibele Vieira (Unificado-SP), Mário Dal Zot (Sindipetro-PR/SC), Fátima  Viana (Sindipetro-RN) e Tadeu Porto (Sindipetro-NF), além do assessor jurídico, Normando Rodrigues. 

A Live terá inicio às 18h30, com transmissão pelo canal FUP Brasil no YouTube e pelo perfil da FUP no facebook:

Youtube: https://youtu.be/-yhPfgDm20s

Facebook: https://mla.bs/bad8eee8

Principais pontos da contraproposta: