updated 12:13 AM CDT, Jun 22, 2018
Sexta-Feira, 22 de Junho de 2018

Justiça proíbe Nobel da Paz de visitar Lula

notice

O estado de exceção no Brasil ganhou contornos internacionais na manhã desta quinta-feira (19), depois que a Justiça impediu o ativista argentino, Adolfo Pérez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz de 1980, de visitar o ex-presidente Lula, preso político na sede Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no Paraná, desde o dia 7 de abril.

A decisão contrária à visita foi da juíza da 12ª Vara Federal de Curitiba, Carolina Lebbos, responsável pela custódia do ex-presidente. Ela comunicou  nos autos, nesta quarta-feira (18), que não permitiria a realização de inspeção, nem a visita pessoal do Nobel da Paz, amigo de Lula há mais de 30 anos. Ontem mesmo, as advogadas de Esquivel encaminharam uma petição ao Supremo Tribunal Federal (STF) e cópias do pedido de inspeção por meio de oficio para o Conselho Federal da OAB, a OAB- PR, a Presidenta do CNJ e do STF, ministra Cármen Lúcia.

Esquivel, o teólogo Leonardo Boff e advogados negociaram ao longo de toda a manhã a liberação para realizar visita de caráter humanitário e de assistência religiosa a Lula, que já havia sido solicitada ao Poder Judiciário no Paraná. Como embarca para Argentina nesta sexta-feira (20), ele quer fazer a visita ainda hoje.

Enquanto espera a decisão judicial, Esquivel visita as instalações do acampamento Lula Livre. Ele disse que é uma injustiça o que estão fazendo com Lula, negando seu direito de comprovar em liberdade um crime que não cometeu.

 “É importante que o povo se mantenha unido e vocês estão de parabéns pela resistência”, disse Esquivel.

Já o teólogo Leonardo Boff foi impedido até mesmo de acompanhar o Nobel da Paz até a entrada da sede da PF. Boff foi barrado no portão do prédio público. O teólogo de 79 anos tem dificuldades de locomoção e, ao pedir apoio aos servidores que estavam impedindo sua passagem, foi ofendido.

“Eles [policiais militares] não me deixaram entrar, começaram a xingar Lula e dizer ‘todos vocês são bandidos e ladrões’. Eles são mandados. Eles têm cabeça de camarão. Não pensam em nada”, lamentou.

Gibran Mendes

 O teólogo avaliou que o golpe de Estado de 2016 é o mesmo ensaiado em Honduras e Paraguai, “feito por parlamentos venais comprados com dólares americanos, assim como parte do Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal”.

“Foi esse conglomerado que deu o golpe para impedir que aqueles que estiveram sempre à margem subam degraus. Nossa democracia é de privilégios, não de direitos, comandada por uma elite do atraso reacionária, antipopular e antinacional”.

Prêmio Nobel para Lula

No acampamento, Esquivel reafirmou para a militância que Lula preenche todos os requisitos para ser premiado com o Nobel da Paz deste ano. 

Ricardo Stuckert

O ativista argentino, segundo agraciado pelo prêmio na América Latina, encabeça campanha para indicar o ex-presidente brasileiro e maior líder político progressista vivo no mundo, ao Nobel da Paz. Na carta enviada ao comitê que concede o prêmio a quem realiza alguma contribuição para o bem de toda humanidade, Esquivel argumentou que Lula tirou mais de 40 milhões de brasileiros da fome e da miséria, além de ter criado políticas públicas que promoveram dignidade e cidadania ao povo mais vulnerável do Brasil.

Mais de 230 mil pessoas já assinara o abaixo assinado que Esquivel encabeçou nos últimos dias. A meta é chegar a 300 mil assinaturas para encaminhar ao comitê do Nobel, que fica na Noruega.  

Quem é Adolfo Perez Esquivel

Ex-preso político da ditadura militar argentina, fundador em 1962 do Serpaj - Servicio Paz y Justicia  - que tem status consultivo na UNESCO,  integra o sistema de ONGS da ONU - Organização das Nações Unidas - na categoría Grau 2 desde 1986, e recebeu em 1987 o prêmio "Mensageiros da Paz" e a distinção "Educação para a Paz", Esquivel protocolou também uma comunicação de inspeção, com anotação de urgência. Baseada nas Regras Mínimas para Tratamento de Presos da ONU –- que regula questões humanitárias como o isolamento solitário e a redução de alimentação.

[Via CUT | Fotos: Joka Madruga, Gibran Mendes e Ricardo Stuckert]

Mídia