updated 8:55 PM BRST, Dec 8, 2017
Segunda-Feira, 11 de Dezembro de 2017

CONFIRA O QUADRO NACIONAL DAS ASSEMBLEIAS: Petroleiros estão rejeitando nova contraproposta da Petrobrás

Data da greve nacional será definida pelo Conselho Deliberativo da FUP

Imprensa da FUP

Conforme indicativo do Conselho Deliberativo da FUP, os trabalhadores do Sistema Petrobrás estão rejeitando a segunda contraproposta apresentada pela empresa no dia 14. As assembléias já foram concluídas nesta quarta-feira, 16, na Bahia, e prosseguem no Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Minas Gerais, Amazonas, Duque de Caxias e Rio Grande do Norte. A nova contraproposta da Petrobrás não apresenta avanços significativos em relação às reivindicações sociais da categoria, principalmente no que diz respeito à saúde e segurança. Além disso,  a empresa também continua sem responder outras importantes reivindicações e pontos que foram negociados na última rodada com a FUP e seus sindicatos, como o pagamento das horas extras dos feriados trabalhados em regimes especiais (dobradinha). 

Intensificar as paralisações surpresa

A FUP orientou os sindicatos a intensificarem as paralisações surpresa e "Operação Gabrielli". Na Bahia, os trabalhadores aprovaram nas assembléias iniciar imediatamente as paralisações. De acordo com as informações do Sindipetro-BA, os petroleiros cortaram a rendição dos turnos das principais unidades operacionais. Os trabalhadores do regime administrativo, próprios e terceirizados, não entraram para trabalhar (veja aqui o comunicado do Sindipetro-BA). Na Regap, em Minas Gerais, os trabalhadores do grupo 5 também decidiram em assembléia cortar a rendição do turno à zero hora desta quarta, 16. O turno só voltou a ser rendido pela manhã.

Data da greve nacional será definida pelo Conselho Deliberativo

A greve por tempo indeterminado, com controle e parada de produção, será iniciada na data que for definida pela FUP e seus sindicatos na reunião do Conselho Deliberativo, que acontece na próxima terça-feira, 22, no Rio de Janeiro. Formado por representantes de cada um dos 12 sindicatos filiados, além da diretoria executiva da FUP, o Conselho se reunirá pela quinta vez nesta campanha para avaliar o quadro nacional das assembléias e definir os próximos encaminhamentos que serão divulgados aos trabalhadores da Petrobrás e subsidiárias.

Quadro parcial das assembléias:

Na Bahia, as assembléias foram todas realizadas nesta quarta-feira, 16, e os trabalhadores aprovaram o indicativo da FUP e dos sindicatos de rejeição da nova contraproposta da Petrobrás. 

Em Minas Gerais, as assembléias já foram realizadas com os grupos 1, 5, 3 e 2 da Regap, que também rejeitaram a contraproposta. Até o momento, são 121 votos contrários à contraproposta, 58 a favor e 32 abstenções. As assembléias prosseguem até sexta-feira, 18. 

No Rio Grande do Sul, os trabalhadores da Refap e dos terminais também estão rejeitando a contraproposta. Na refinaria, já foram consultados três grupos de turno e todos os grupos dos terminais de Osório (Tedut) e Canoas (Tenit), que rejeitaram a nova proposta da Petrobrás. As assembléias prosseguem até sexta-feira, 18. 

No Espírito Santo, as assembléias começaram nesta quarta-feira, 16, e continuam até o dia 21. Foram ouvidos os trabalhadores do quatro prédios administrativos da Petrobrás, em Vitória, onde a contraproposta da empresa foi rejeitada por 179 votos, aprovada por 54 trabalhadores e teve 18 abstenções. As assembléias prosseguem nesta quarta em São Mateus. 

Na Reduc, em Duque de Caxias, a primeira consulta aos trabalhadores foi realizada na tarde desta quarta-feira, 16, com o grupo D do turno, que rejeitou por 94 votos a contraproposta da Petrobrás, que obteve 22 aceitações e 06 abstenções na assembléia. O calendário de assembléias se encerra na segunda-feira, 21. 

No Amazonas, os trabalhadores da Reman também estão rejeitando a contraproposta da Petrobrás. Foram consultados até agora três grupos de turno e o resultado foi amplamente favorável ao indicativo da FUP e dos sindicatos de rejeição. As assembléias prosseguem até amanhã, 17. 

No Rio Grande do Norte, os petroleiros também rejeitando a contraproposta da Petrobrás. As assembléias começaram no dia 15 e prosseguem até sexta-feira, 18. Já foram ouvidos trabalhadores nas plataformas, no Pólo de Guamaré, nos campos de Estreito e Alto do Rodrigues. 

Nas bases do Sindipetro Unificado-SP, as assembléias começam à meia noite de hoje, na Replan, e prosseguem até segunda-feira, 21. No Ceará e nas bases de Pernambuco e Paraíba, as assembléias serão realizadas nesta quinta, 17, e sexta-feira, 18.  

No Norte Fluminense, o sindicato só iniciará as assembléias, quando a Petrobrás retirar as equipes de contingência das plataformas e do Terminal de Cabiúnas. Segundo denúncias dos trabalhadores, a empresa embarcou nas plataformas, vários supervisores, gerentes e demais "fura greves" para impedir qualquer tipo de paralisação por parte da categoria.  Até esta quarta, 16, o Sindipetro-NF havia recebido da categoria o nome de 510 fura greves, das plataformas P-08, P-15, P-18, P-20, P-25, P-27, P-31, P-33, P-38, P-40, P-43, P-48, P-50, P-51, P-52, P-54, P-56, PNA-2, PRA-1, PVM-2,PVM-3, PCH-2 e PCP-1/3. Em Cabiúnas, segundo o sindicato, existem 16 fura greves se revezando em dois turnos de 12 horas. 

No Paraná e em Santa Catarina, o Sindipetro decidiu suspender a convocação das assembléias até a próxima reunião do Conselho Deliberativo da FUP, em protestos contra  a truculência e ações antissindicais da Petrobrás. Leia aqui o comunicado do Sindipetro-PR/SC. 

 

Mídia