updated 6:16 PM BRST, Nov 24, 2017
Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017

Petroleiros baianos decidem entrar em greve por tempo indeterminado com parada de produção a partir desta quarta, (16)

O Sindipetro informa que a greve é com redução da produção, mas a população não será penalizada, pois haverá distribuição de gás.

Sindipetro BA

Trabalhadores petroleiros baianos decidiram entrar em greve na manhã desta quarta-feira, 16, com o objetivo de exigir avanços na campanha reivindicatória. De acordo com as informações do Sindipetro-BA, a greve atinge todas as unidades da Petrobrás localizadas na Bahia.  Isso significa que não houve corte de rendição no turno, e o pessoal administrativo retornou para suas residências.

As assembleias ocorreram na manhã de hoje no Posto 1.000, na BR 324; Via Parafuso; Trevo da Resistência (Rlam e Transpetro), Alagoinhas, Pojuca, Araçás e no Polo de Camaçari (Fafen). Em Salvador, as assembleias foram realizadas no Conjunto Pituba, Cofip e Universidade Petrobrás. 

O Sindipetro informa que a greve é com redução da produção, mas a população não será penalizada, pois haverá distribuição de gás. Em campanha salarial desde setembro, a Petrobrás só concordou em antecipar a inflação dos últimos 12 meses (7,23%). Os trabalhadores reivindicam 10% de ganho real, condições dignas de saúde e segurança, aumento de efetivos, melhoria nos benefícios, igualdade de direitos para combater a precarização do trabalho terceirizado e fim das práticas antissindicais. A empresa não apontou qualquer disposição política em alterar suas diretrizes de segurança e descartou em mesa toda a pauta da categoria referente à terceirização.

A defesa da vida é o eixo principal da campanha reivindicatória dos petroleiros, cujo tema é “A vida, sim, é a nossa energia – Exploração, só de petróleo”. Este ano, 15 trabalhadores morreram em acidentes na Petrobrás. Somente em agosto, foram oito vítimas, num total de 309 desde 1995. Quatro dessas vítimas eram trabalhadores petroleiros baianos. Um número alarmante que reflete a insegurança crônica na qual vivem os trabalhadores da Petrobrás e subsidiárias, principalmente os terceirizados, que são as maiores vítimas de acidentes na empresa.

Mais informações com o coordenador do Sindipetro-BA, Paulo César Chamadoiro, telefone 21 9124-0589 e os diretores de imprensa, Leonardo Urpia, telefone 71 8785-3107 e Christian Pereira 71 9953-3490 e 8622-5757

Mídia